.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

terça-feira, 13 de junho de 2017

--Olhar para uma mulher... –José Salviano

16 de Junho de 2017
Cor: Verde
Evangelho - Mt 5,27-32


Todo aquele que olhar para uma mulher,
com o desejo de possuí-la,
já cometeu adultério com ela no sua mente.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
27Ouvistes o que foi dito:
'Não cometerás adultério'.
28Eu, porém, vos digo:
Todo aquele que olhar para uma mulher,
com o desejo de possuí-la,
já cometeu adultério com ela no seu coração.
29Se o teu olho direito é para ti ocasião de pecado,
arranca-o e joga-o para longe de ti!
De fato, é melhor perder um de teus membros,
do que todo o teu corpo ser jogado no inferno.
30Se a tua mão direita é para ti ocasião de pecado,
corta-a e joga-a para longe de ti!
De fato, é melhor perder um dos teus membros,
do que todo o teu corpo ir para o inferno.
3lFoi dito também:
'Quem se divorciar de sua mulher,
dê-lhe uma certidão de divórcio'.
32Eu, porém, vos digo:
Todo aquele que se divorcia de sua mulher,
a não ser por motivo de união irregular,
faz com que ela se torne adúltera;
e quem se casa com a mulher divorciada comete adultério.
Palavra da Salvação.


Jesus nos fala hoje com palavras duras para que sejamos perfeitos como o Pai é perfeito. Ou pelo menos tentamos.
O matrimônio é mais sério do que pensamos. Muitos se casam pensando que se não der certo é só se divorciar. Não pé bem por aí, ao menos que não nos importemos com a nossa vida pós morte.
A partir de hoje, vamos tomar mais um pouco de cuidado ao olhar para uma mulher, principalmente a mulher do próximo. A força do instinto junto com a tentação, pode facilmente nos arrastar para o pecado.
Desse modo, a atração física é algo do instinto, porém natural. O que não é normal, é o fato de alimentarmos uma tentação, e buscar uma aproximação maior com uma pessoa que pertence a outro, ou a outra.
Geralmente só falamos da mulher do próximo. Mas, na realidade nos esquecemos do marido da próxima.  Isto porque, muitos maridos também são tentados pela mulher do próximo, e por aí, a coisa vai.
O instinto está em nós, porém, procuremos controlá-lo. Para que não nos aconteça de sermos culpados pela separação e destruição de uma família, o que se constitui pecado grave. Muito grave!  
Neste Evangelho Jesus nos convida a refletir sobre o divórcio. Sobre a instituição do casamento que Deus uniu e o homem nem a mulher tem o direito de separar. Mas infelizmente, muitos homens e mulheres  têm separado muitos casamentos unidos por Deus. E Jesus é categórico  ao dizer, que.  "O homem que mandar a sua esposa embora e casar com outra mulher estará cometendo adultério contra a sua esposa. E, se a mulher mandar o seu marido embora e casar com outro homem, ela também estará cometendo adultério."       
Os fariseus muitas vezes procuraram um motivo para enquadrar criminalmente  Jesus em algum artigo da Lei machista que associava o casamento à posse de bens materiais e dava ao homem o direito de repudiar sua mulher, relegando esta a uma posição de submissão. Jesus, porém, mostra o outro lado da moeda, ou seja, Ele recorre ao Projeto criador de Deus, para responder a interrogação maliciosa dos seus oponentes.
Lamentavelmente, nem sempre os dois, maridos e mulher são católicos atuantes. E isso acontece, porque o amor surge indistintamente da convicção religiosa dos dois. E, também, as pessoas não se preocupam na hora de se escolherem, em saber qual a religião do outro. Dessa forma, podemos observar que nas comunidades paroquiais, a maior  parte dos cristãos atuantes são  do sexo feminino, onde vemos as esposas participando da catequese ou da liturgia, enquanto os maridos não se encontram  presentes.

Por outro lado, às vezes temos cristãos atuantes do sexo masculino desacompanhados de suas respectivas esposas.
Respeitem-nos uns aos outros, não nos esquecendo de que a outra ou o outro que acabou de nos atrair fisicamente, é uma filha ou um filho de Deus igual a nós, cujos corpos são templos do Espírito de Deus, e que por suposto, pertence matrimonialmente a outra pessoa. Sendo assim, não temos o direito de destruir uma família, causando a infelicidade dos seus filhos.
A traição, o adultério, vai além de uma aventura sexual, vai mais além do que um desejo ou atração física. Trata-se de um grande pecado por estarmos desejando algo que pertence a outro ou a outra, pois estamos causando a infelicidade de pessoas inocentes. Estamos prejudicando grandemente a outras pessoas, o que é contrário ao segundo mandamento. “Amar o próximo como a ti mesmo”.

Tenha um bom dia. José Salviano.



Um comentário:

Anônimo disse...

Eu todos os dias faço a leitura do dia e complemento com os comentários dessa equipe para complementar meus ensinamento e por em prática muito obrigado, que o Senhor Deus continue derramando benção a todos na Paz de Cristo, Jair Ferreira.

Postar um comentário