.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

quarta-feira, 28 de março de 2018

Domingo de Páscoa-Jorge Lorente


Evangelhos Dominicais Comentados

01/abril/2018  --  Domingo de Páscoa

Evangelho: (Jo 20, 1-9)

No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus bem de madrugada, quando ainda estava escuro. Ela viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. Então saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo que Jesus amava. E disse para eles: «Tiraram do túmulo o Senhor, e não sabemos onde o colocaram.» Então Pedro e o outro discípulo saíram e foram ao túmulo.  Os dois corriam juntos. Mas o outro discípulo correu mais depressa do que Pedro, e chegou primeiro ao túmulo. Inclinando-se, viu os panos de linho no chão, mas não entrou. Então Pedro, que vinha correndo atrás, chegou também e entrou no túmulo. Viu os panos de linho estendidos no chão e o sudário que tinha sido usado para cobrir a cabeça de Jesus. Mas o sudário não estava com os panos de linho no chão; estava enrolado num lugar à parte. Então o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo, entrou também. Ele viu e acreditou. De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura que diz: «Ele deve ressuscitar dos mortos.»

COMENTÁRIO

Feliz Páscoa!  Que Jesus ressuscitado abençoe a você e a todos os seus familiares neste dia de festa, de alegria e de paz! Hoje celebramos a vitória de Jesus sobre a morte. Por isso a imagem de Jesus ressuscitado é representada empunhando uma bandeira branca, sinal de vitória. 

O Senhor Ressuscitou, venceu a morte! Como Jesus, e em Jesus, nós também venceremos as forças do mal. Certamente podemos vencer tudo aquilo que se contrapõe à nossa vida, ao nosso bem. Venceremos as forças que estimulam a corrupção, o desemprego, o salário de fome e a opressão. Venceremos tudo que é contrário ao nosso desenvolvimento, à saúde, à alegria, à justiça e à paz.

Jesus faz questão de deixar transparecer que veio para mudar! Também aqui, numa sociedade em que as mulheres não tinham espaço, não tinham vez e nem voz. Uma sociedade que não aceitava sequer o testemunho das mulheres, elas eram discriminadas como os escravos e as crianças, no entanto, são elas as primeiras testemunhas da ressurreição.  

Jesus, que já havia reabilitado a mulher em sua dignidade, a eleva também na capacidade de dar testemunho do maior acontecimento da história da salvação. As mulheres ficam assustadas, mas são envolvidas por uma grande alegria.

Correm, comunicam o fato a Pedro e a João e os convidam para verem o sepulcro vazio. Voltaram ao túmulo e nada encontraram. Ainda não tinham compreendido a escritura, segundo a qual Jesus deveria ressuscitar dos mortos.

“Não tenham medo” - diz o anjo às mulheres que vão ao sepulcro. “Alegrem-se!” - diz Jesus, que vem ao encontro delas. Alegria e ausência de medo são notas dominantes na ressurreição. Pouco depois, ao se apresentar aos apóstolos reunidos no cenáculo, Jesus lhes diz: “A paz esteja com vocês”. Alegria e paz são características de quem crê em Jesus e vive a sua proposta.

O cristão tem que se alegrar! Tem tudo para ser como o discípulo que Jesus amava. Foi ele o primeiro a perceber que o Mestre ressuscitara. Enxergou de imediato a Vida explodindo com toda sua força. Percebeu a intervenção de Deus “escancarando” o sepulcro e fazendo brotar a Vida Plena.

Precisamos permanentemente enxergar a verdadeira vida e torná-la presente em todas as coisas. O desânimo, a acomodação, a aceitação das injustiças sociais, a exclusão dos idosos, crianças, dependentes químicos e doentes, são sinais de morte. A vida é a meta do cristão.

Pelo batismo nos unimos a Jesus Cristo e assumimos sua proposta de vida nova, pois fomos batizados na sua morte e ressurreição. Em Jesus passamos para uma vida nova, uma vida plena. Como diz São Paulo, deixamos de ser “filhos das trevas” e passamos a ser “filhos da luz”. Uma vida verdadeiramente cristã, não termina com a morte, mas se abre para a plenitude da vida em Jesus.

Neste período pascal, a Igreja convida os fiéis a fazerem a confissão e comunhão do Corpo e do Sangue de Jesusl. Todos somos convidados a participar dos Sacramentos da Reconciliação e da Eucaristia. É uma ocasião de nos reaproximarmos de Deus. É uma boa hora para revermos nossa caminhada de fé.

Vamos rever nossos compromissos com a comunidade, com a família e com os doentes. Vamos nos aproximar dos excluídos e ressuscitar o Amor.

(5102)

jorge.lorente@miliciadaimaculada.org.br – 01/abril/2018


As mulheres correram a dar a notícia aos discípulos-Dehonianos


2 Abril 2018
1ª Semana – Segunda-feira – Páscoa
Lectio
Primeira leitura: Actos 2, 14. 22-33
No dia do Pentecostes, Pedro de pé, com os Onze, ergueu a voz e dirigiu-lhes então estas palavras:«Homens da Judeia e todos vós que residis em Jerusalém, ficai sabendo isto e prestai atenção às minhas palavras.Homens de Israel, escutai estas palavras: Jesus de Nazaré, Homem acreditado por Deus junto de vós, com milagres, prodígios e sinais que Deus realizou no meio de vós por seu intermédio, como vós próprios sabeis, 23este, depois de entregue, conforme o desígnio imutável e a previsão de Deus, vós o matastes, cravando-o na cruz pela mão de gente perversa.
4Mas Deus ressuscitou-o, libertando-o dos grilhões da morte, pois não era possível que ficasse sob o domínio da morte. 25David diz a seu respeito: ‘Eu via constantemente o Senhor diante de mim, porque Ele está à minha direita, a fim de eu não vacilar. 26Por isso o meu coração se alegrou e a minha língua exultou; e até a minha carne repousará na esperança, 27porque Tu não abandonarás a minha vida na habitação dos mortos, nem permitirás que o teu Santo conheça a decomposição.
28Deste-me a conhecer os caminhos da Vida, hás-de encher-me de alegria com a tua
presença. ‘ 29Irmãos, seja-me permitido falar-vos sem rodeios: o patriarca David morreu e foi sepultado, e o seu túmulo encontra-se, ainda hoje, entre nós. 30Mas, como era profeta e sabia que Deus lhe prometera, sob juramento, que um dos descendentes do seu sangue havia de sentar-se no seu trono, 31viu e proclamou antecipadamente a ressurreição de Cristo por estas palavras: ‘Não foi abandonado na habitação dos mortos e a sua carne não conheceu a decomposição. ‘ 32Foi este Jesus que Deus ressuscitou, e disto nós somos testemunhas. 33Tendo sido elevado pelo poder de Deus, recebeu do Pai o Espírito Santo prometido e derramou-o como vedes e ouvis.
«Jesus de Nazaré, Homem acreditado por Deus junto de vós, com milagres, prodígios e sinais… depois de entregue… vós o matastes, cravando-o na cruz… Mas Deus ressuscitou-o». Estas palavras de Pedro, na manhã do Pentecostes, constituem o anúncio fundamental, o Kerigma, que a Igreja é chamada a fazer a todos os povos, a começar por Jerusalém. Jesus foi condenado e executado. Mas Deus confirmou a justeza da sua causa, ressuscitando-O dos mortos. Aliás, tudo estava previsto, conforme verificamos no salmo 15. O que não se realizou em David, realizou-se em Jesus de Nazaré, que Deus ressuscitou dos mortos. Os apóstolos são testemunhas desse facto. Pedro evoca a vida exemplar de Jesus, evoca a sua morte levada a cabo pelos judeus e pelos pagãos, e evoca a sua ressurreição. Tudo aconteceu conforme o plano de Deus delineado nas Escrituras.
Temos aqui um exemplo da primeira pregação apostólica, centrada em Jesus de Nazaré, na sua acção, na responsabilidade de quem O recusou, e na total presença de Deus em todos os momentos da sua maravilhosa vida.
Evangelho: Mateus 28, 8-15
Naquele tempo, Maria Madalena e a outra Maria, afastando-se rapidamente do sepulcro, cheias de temor e de grande alegria, as mulheres correram a dar a notícia aos discípulos. 9Jesus saiu ao seu encontro e disse-lhes: «Salve!» Elas aproximaram-se, estreitaram-lhe os pés e prostraram-se diante dele. 10Jesus disse- lhes: «Não temais. Ide anunciar aos meus irmãos que partam para a Galileia. Lá me verão.» 11Enquanto elas iam a caminho, alguns dos guardas foram à cidade participar aos sumos-sacerdotes tudo o que tinha acontecido! 12Eles reuniram-se com os anciãos; e, depois de terem deliberado, deram muito dinheiro aos soldados, 13recomendando-lhes: «Dizei isto: ‘De noite, enquanto dormíamos, os seus discípulos vieram e roubaram-no.’ 14E, se o caso chegar aos ouvidos do governador, nós o convenceremos e faremos com que vos deixe tranquilos.» 15Recebendo o dinheiro, eles fizeram como lhes tinham ensinado. E esta mentira divulgou-se entre os judeus até ao dia de hoje.
Enquanto as mulheres, tendo-se encontrado com Jesus, correm a levar a notícia aos apóstolos (vv. 8-10), os guardas também correm a informar os sumos- sacerdotes sobre o curso dos acontecimentos (vv. 11-15). Entretanto Mateus centra a sua e a nossa atenção no túmulo vazio. Perante essa realidade, podemos tirar duas conclusões: ou Jesus ressuscitou, de verdade, ou os discípulos roubaram o seu corpo. Mas o episódio está organizado de tal modo que não deixa muito espaço a dúvidas. O testemunho das mulheres não dá hipóteses à mentira dos sumos-sacerdotes: «Ide anunciar aos meus irmãos que partam para a Galileia. Lá me verão» (v. 10). Só uma fé semelhante à das mulheres torna possível acolher o anúncio da ressurreição.
Mateus escreve no século I, quando ainda estava bem acesa a polémica sobre a ressurreição de Cristo entre os chefes do povo e a comunidade dos discípulos. Para o evangelista, a ressurreição de Jesus era um facto indubitável, que tinha inaugurado os novos tempos e o Reino de Deus fundado no amor. Mas os chefes do povo judeu continuavam a rejeitar Jesus, e à espera de outro salvador.
A ressurreição continua a ser sinal de contradição: é fonte de vida e de salvação para quem está aberto à fé e ao amor; é motivo de juízo e de condenação para quem a recusa.
Meditatio
A visão dos Anjos, que anunciavam a ressurreição, trouxe às mulheres temor, mas também grande alegria. Mas essa alegria só será plena quando Jesus se manifestar pessoalmente a elas. É o que acontece logo de seguida: «Salve!», diz-lhes o Senhor ao encontrá-las. Então, puderam abraçar-Lhe os pés, adorá-l´O.
O encontro com Jesus ressuscitado enche as mulheres de contentamento porque a Sua presença é presença de Deus. Jesus aponta-lhes o caminho da vida e da missão. Aquela experiência não era para ficarem quietas e caladas. Por isso, partem em missão: «Ide anunciar aos meus irmãos que partam para a Galileia. Lá me verão» (v. 10). Também para nós, a alegria da Ressurreição, há-de tornar-se compromisso de anúncio, de missão.
A segunda parte do texto mostra-nos outro efeito da luz da Ressurreição, um
efeito negativo naqueles que não estão dispostos a acolhê-la. Os guardas do sepulcro e os anciãos conspiram, recusando ver a luz: «Dizei isto: ‘De noite, enquanto dormíamos, os seus discípulos vieram e roubaram-no.’ » (v. 13). Santo Agostinho observa com ironia: «Se dormiam, como é que viram os discípulos roubar o corpo?&raquo
;
É bem diferente o testemunho de Pedro sobre Jesus: «Vós o matastes,
cravando-o na cruz… Mas Deus ressuscitou-o» (cf. vv. 3-4). Esta primeira pregação do Apóstolo ecoará ininterruptamente na pregação da Igreja ao longo dos séculos. Pedro e a Igreja existem para anunciar a Morte e a Ressurreição de Jesus. Estes factos encerram toda a negatividade da história e toda a positividade da vontade de Deus. Cada um de nós é apóstolo na medida em que anuncia esta verdade, e se sente
identificado com ela. O ódio, as trevas, a morte foram vencidos pelo poder de Deus, porque Cristo ressuscitou, porque «pois não era possível que ficasse sob o domínio da morte» (v. 4). Pedro e os outros Apóstolos anunciavam corajosamente a Ressurreição do Senhor. Anunciavam com poder, porque fizeram a experiência do Ressuscitado. Uma coisa é anunciar ao mundo Cristo, conhecido pelo estudo e, portanto, de modo muito abstracto; outra coisa é anunciar Cristo experimentado, vivido. Da experiência do Ressuscitado brota o testemunho eficaz e a acção em favor dos irmãos, o apostolado. Do apostolado, volta-se à experiência do Senhor. Quando temos uma experiência profunda e pessoal de Cristo, não há diferença essencial entre contemplação e apostolado. São dois modos diferentes de o amor oblativo se exprimir. Lembremos a legenda de Cassiano que fala do cão que corre porque viu a lebre e dos cães que correm porque viram o outro correr, mas não a lebre. Há uma boa diferença no modo de correr!
Paulo VI, ao dirigir-se a religiosos de vida apostólica, afirma que “o anúncio da palavra de Deus”, donde brota a fé, é uma “graça”, “exige uma profunda união com o Senhor” (ET 9). “Múltiplos são os dons do Espírito, mas são tais que nos permitem sempre saborear o conhecimento íntimo e verdadeiro do Senhor” (ET 43): “O Espírito Santo dar-vos-á também a graça de descobrir o rosto do Senhor no coração dos homens, que Ele mesmo vos ensina a amar como irmãos. Ajuda-vos a recolher as manifestações do Seu amor na trama dos acontecimentos” (ET 44). São as experiências de Cristo Ressuscitado que tornam fecundo o nosso apostolado.
Oratio
Senhor Jesus, dá-me um coração aberto à tua luz e disponível para a missão. Não falta neste mundo quem procure esconder a verdade, fechar-se à tua luz, refugiar-se em conspirações para defender os seus interesses, afastando-se cada vez mais da simplicidade da verdade e juntando confusão à confusão. Mas só quem se abre à verdade está em paz e pode avançar com simplicidade.
Senhor Jesus, creio na tua ressurreição gloriosa. Faz crescer em mim um
coração de apóstolo. Dá-me uma alma vibrante e generosa, combativa e acolhedora, uma alma que me leve a dar testemunho de Ti em todas as ocasiões, porque só Tu tens Palavras de vida e porque, só na realização do teu Reino, encontrarei a paz.
Interceda por mim a tua Mãe, a Virgem Maria, Rainha dos Apóstolos. Amen.
Contemplatio
Mal se puseram a caminho, encontram Jesus diante delas. Salvete, eu vos saúdo, diz-lhes. Cheias de fé, prostram-se, adoram o seu Deus, beijam as cicatrizes gloriosas dos seus pés. Agarram-se a estes pés benditos: tenuerunt pedes ejus. Jesus deixa-as fazer. Poucos instantes antes, não tinha permitido que Madalena lhe tocasse. As almas têm caminhos diferentes. Madalena é uma alma contemplativa, Jesus exige dela uma fé mais pura e um perfeito desapego. Tem também de reparar sensualidades passadas. As duas Marias são parentes de Jesus, são almas mais simples. São trémulas e fracas, têm necessidade de acreditar e de sentir para crerem e amarem. Como a bondade do Coração de Jesus sabe acomodar-se às necessidades de cada alma! Se soubéssemos também discernir as vistas de Deus e nos deixássemos conduzir por um sábio director!
Nosso Senhor interrompe a alegria das piedosas mulheres e transmite-lhes a mensagem que deu a Madalena: «Ide dizer aos meus irmãos que me precedam na Galileia, é lá que me hão-de ver».
Partem, mas estão de tal modo perturbadas que já não pensam
na mensagem, diz-nos S. Marcos. Correm sem dúvida para casa da santíssima Virgem. Nosso Senhor desculpa-as, mandará prevenir S. Pedro e os outros apóstolos reunidos no Cenáculo por Madalena e à noite ainda pelos discípulos de Emaús. Está, de facto, nos desígnios de Deus que os fiéis dêem a sua colaboração aos apóstolos.
Em tudo isto, o Coração de Jesus mostra uma admirável ternura pelas almas que lhe estão ligadas e que lhe estão consagradas. Vencer-nos-á sempre em afeição. (Leão Dehon, OSP 3, p. 379).
Actio
Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«Não era possível que Jesus ficasse sob o domínio da morte» (cf. Act 2, 4)


O LUTO DE MARIA E DOS APÓSTOLOS E A PROVAÇÃO DE MADALENA-Dehonianos


31 Março 2018
Sábado – Semana Santa
O LUTO DE MARIA E DOS APÓSTOLOS E A PROVAÇÃO DE MADALENA
Et vidit duos angelos in albis, sedentes, unum ad caput et unum ad pedes, ubi positum fuerat corpus Jesu. Dicunt ei illi: Mulier, quid pioras? Dicit eis:
Quia tulerunt Dominum meum et nescio ubi posuerunt eum (Jo 20,12-13).
E viu dois anjos vestidos de branco, sentados, um à cabeceira e outro aos pés, onde jazera o corpo de Jesus. Disseram-lhe eles: Mulher, porque choras? Porque levaram o meu Senhor, respondeu, e não sei onde O puseram (Jo 20, 12-13).
Primeiro Prelúdio. A Santíssima Virgem exprime a sua dor com calma em casa de S. João. Madalena, mais agitada, corre a comprar perfumes e vai ao sepulcro.
Segundo Prelúdio. luto, compaixão e amor, tais são as disposições de que devo penetrar-me hoje para cumprir a minha missão de discípulo do Sagrado Coração.
PRIMEIRO PONTO: Luto de Maria, de S. João e de Madalena. – Durante o grande luto do sábado, Maria, os discípulos e as santas mulheres permaneceram em casa, por causa do Sabbat. «Sabbato autem siluerunt secundum msndetun» (Lc 23, 56).
Para Maria, havia um outro motivo: Era costume entre os Judeus que a pessoa mais estreitamente unida ao defunto, a sua mãe, a sua esposa, a irmã permanecesse em casa durante o grande luto, enquanto que os outros membros da família iam visitar o sepulcro. Na morte de Lázaro, era Madalena que permanecia em casa: Maria autem domi sedebat(Jo 11, 20).
A casa para Maria, era em casa de João. Tinha-a tomado consigo por ordem de Nosso Senhor. Ex illa hora accepit eam discipulus in sua (Jo 19, 27). Pedro também estava lá, não deixava João naqueles dias.
Nós podemos facilmente pensar que Madalena permaneceu também junto de Maria. Unidas ao pé da cruz, estavam unidas no luto. A presença de Maria adoçava o luto de Madalena. A presença de Madalena, que tinha sido toda regada pelo sangue de Jesus, era para Maria como um resto de Jesus mesmo.
Maria abandona-se menos à dor do que Madalena. A sua fé não lhe deixa perder de vista os ensinamentos da Escritura.
Ela sabe que a alma santa de Jesus não será abandonada nos infernos e que Deus não permitirá que o corpo do Santo conheça a corrupção: Quoniam non derelinques animam meam in inferno, nec dabis Sanctum tuum videre corruptionem (SI 15, 9). /371
Ela espera a sua próxima visita. Medita sobre a grandeza do sacrifício e do amor de Jesus e sobre os felizes frutos que a sua Paixão há-de produzir: Conservabat omnia verba hoc in corde suo (Lc 2, 19).
SEGUNDO PONTO: Amor e fidelidade de Maria. – Madalena ela também nos dá um grande exemplo de fidelidade e de perseverança no amor de Nosso Senhor. Ela não tem repouso, não pode viver longe do seu Bem-Amado. Faz-lhe falta o seu Deus, procurá-lo-á. O seu tesouro está no sepulcro, lá também está o seu coração. As provações não extinguiram as chamas do seu amor: Aquae multae non potuerunt extinguere caritatem (Cant. 8).
o seu amor foi purificado no cadinho dos sofrimentos. É preciso que a sua fidelidade reduplique: o seu Bem-Amado foi tão cruelmente traído, abandonado! É preciso que a sua dedicação seja verdadeiramente reparadora.
Logo que a lei de Deus o permite, sai com as outras duas Maria para comprar perfumes (Mc 16, 1). Por modéstia, não sai sozinha, consulta Pedro, João e Maria, como lhes irá prestar contas quando tiver encontrado o túmulo vazio. A obediência à Igreja e a união a Maria são as marcas do verdadeiro espírito de Deus. Depois da compra dos perfumes, Madalena faz uma visita ao sepulcro com uma só companhia:
Vespere autem sabbati, venit cum altera Maria videre sepulcrum (Mt 28, 1). Toma o caminho do Calvário, ainda é escuro, revê em espírito todas as cenas da sexta-feira. Tem medo de pisar aos pés o precioso sangue. A cruz está ainda lá, é terrível no meio das sombras da noite. O sepulcro está solitário, os guardas dormitam. Madalena senta­se e chora. A hora da consolação não chegou. Nosso Senhor deixa-a nas suas angústias e, todavia, fortifica a sua coragem. Volta para a casa de dor, não encontrou o seu Bem-Amado: Per noctem quaesivi quem diligit anima mea. Quaesivi et non inveni (Cant 3, 2). – Quando tivermos perdido a presença de Nosso Senhor, procuremo-lo assiduamente como Madalena.
TERCEIRO PONTO: Ardor de Madalena e as suas provações. – O coração amante de Madalena não conhece nem atraso nem desânimo. Logo que isto é possível: Valde mane, valde diluculo, cum adhuc tenebrae essent (Mc, Lc, Jo), Madalena sai com as outras duas Marias para voltar ao Calvário. Ela adianta-se, corre. Como o esposo dos Cânticos, ela disse: «Leventer-me-ei de noite e percorrerei a cidade; nas ruas, nas praças públicas procurarei aquele que o meu coração ama. Perguntarei aos guardas das portas da cidade: Não o vistes por acaso»? (Cant 3, 1).
Durante esta noite, ela dizia com o Salmista: «A minha alma suspira por vós, ó meu Deus, como o veado sedento pela água das fontes. Quando vos tornarei a ver, Ó meu Deus? Quando hei-de comparecer diante da vossa face? Enquanto derramo lágrimas inextinguíveis, os meus inimigos riem-se e dizem-me: Onde está o teu Deus? … Ó minha alma, espera mesmo assim, porque ainda o hás-de louvar, o teu Senhor e o teu Deus» (SI 41).
Mas Nosso Senhor quer provar ainda mais a sua fidelidade e a sua constância.
Chegando ao Calvário, Madalena vê que a pedra foi retirada e que o sepulcro está vazio. Não pensava na ressurreição, procurava o corpo magoado e dilacerado do seu Salvador para lhe prestar o piedoso dever de uma sepultura digna dele. Mesmo esta esperança é desenganada. Não lhe resta mais nada senão chorar pelo seu Jesus! É como se fosse fulminada. Todavia, ela não sucumbe à sua dor, adora, humilha-se, recorda-se dos seus pecados que justificam esta privação do seu Jesus, do seu Salvador bem-amado.
Resoluções. – Maria, João, Madalena e as santas mulheres são os nossos modelos nesta jornada de compaixão e de reparação. São os únicos amigos fiéis do Coração de Jesus. Unir-me-ei a eles hoje e todos os dias. Procurarei o meu Jesus como Madalena, todas as vezes que tiver perdido a sua presença sensível. Não desanimarei nunca na minha fé, na minha confiança e no meu amor.
Colóquio com Maria.
(Leão Dehon, OSP 3, p. 370ss. Tradução do Pe. José Jacinto Ferreira de Farias, SCJ)


A SANTA CEIA-Dehonianos


29 Março 2018
Quinta-feira – Semana Santa
A SANTA CEIA
Coenantibus autem eis, accepit Jesus panem, et benedixit ac fregit, deditque discipulis suis, et ait: Accipite et comedite; hoc est corpus meum. Et accipiens cal icem, gratias egit, et dedit illis dicens: Bibite ex hoc omnes. Hic est enim sanguis meus novi Testamenti, qui pro multis effundetur in remissionem peccatorum… Erat autem recumbens unus ex discipulis ejus in sinu Jesu, quem diligebat Jesus (Mt 26, ; Jo 13).
Enquanto comiam, tomou Jesus o pão e, depois de pronunciar a bênção, partiu-o e deu-o aos seus discípulos, dizendo: Tomai, comei. Isto é o meu corpo. Tomou, em seguida, um cálice, deu graças e entregou-lhes dizendo:
Este é o meu sangue, sangue da aliança, que vai ser derramado por muitos para a remissão dos pecados … Ora um dos discípulos, aquele que Jesus amava, estava à mesa junto do peito de Jesus (Mt 26, 26-28; Jo 13, 12).
Primeiro Prelúdio. O Cenáculo. Jesus está como transfigurado no meio dos seus apóstolos. As fontes do amor vão abrir-se para darem ao mundo a Eucaristia.
Segundo Prelúdio. Obrigado, Senhor. Com S. João, agradeço-vos, amo-vos, dou-me todo a vós.
PRIMEIRO PONTO: A Eucaristia. – Ó prodígio inaudito! O Senhor supremo faz-se alimento da sua pobre e miserável criatura!
Enquanto comiam, nesta noite da última Ceia, Jesus estava sentado com os seus discípulos. – Ergue os olhos para o seu Pai e recolhe-se numa ardente oração. Está como transfigurado. – Consideremos o céu aberto acima da sua cabeça: os Anjos admirados tremem de alegria e de temor … de alegria: a Eucaristia inflamará e santificará tantos corações! Acenderá no seio da Igreja uma tal fogueira de dedicação e de amor!… de temor também: a Eucaristia encontrará tantos ingratos! Será profanada pelos Judas de todos os séculos!
Escutemos as palavras de Jesus: «Tomai e comei, isto é o meu corpo; bebei, isto é o meu sangue … ». – Eu vos saúdo, ó verdadeiro corpo, nascido da Virgem Maria!
Verei os apóstolos aproximarem-se, tomarem o seu lugar nesta primeira comunhão … Maria, a Mãe bem-amada de Jesus! Quem poderia dizer o ardor da sua caridade! É o seu Filho que ela recebe! É a carne, é o sangue que ela lhe deu! Correntes de amor sobem para o céu nos transportes desta casta união, destes santos arrebatamentos.
«Fazei isto em minha memáris-, acrescenta Jesus, e os seus apóstolos são feitos sacerdotes para a eternidade. Unamo-nos ao seu acto de fé e de amor.
SEGUNDO PONTO: Judas! – A Paixão começa no Cenáculo, com a atitude de Judas tão cruelmente ofensiva para o Coração de Jesus. O traidor já vendeu o seu divino Mestre. Entretanto assiste hipocritamente à Ceia e à instituição da Eucaristia. Comunga sem dúvida sacrilegamente.
Nosso Senhor experimenta abatimento e piedade. Tenta ainda salvá-lo. Adverte­o: «Um de vós, diz, que estais comigo a esta mesa, trelr-me-e-, Isto devia recordar ao traidor a lamentação de David: «Se um inimigo me tivesse ofendido, tê-lo-ia suportado, mas vó~ um amigo que vivia à minha mesa … »
Nosso Senhor deixa manifestar a sua tristeza, não por causa de si mesmo, Ele sabe que deve morrer: «No que diz respeito ao Filho do homem, diz, vai acontecer segundo o que foi determineao». Mas entristece-se por causa do crime do seu discípulo: «Ai daquele, diz, pelo qual o Filho do homem é treidot: (Lc 22,22). Mas nada toca o pecador endurecido.
Ó Coração sagrado, vítima dos homens, peço-vos perdão pela traição de Judas e pelos crimes que vos hão-de afligir, humilhar, e ferir até ao fim dos tempos sobre todos os altares da terra; perdão pelos cristãos indignos, perdão pelos sacerdotes apóstatas!
TERCEIRO PONTO: S. João sobre o Coração de Jesus. – Entremos no Cenáculo no momento da acção de graças desta primeira comunhão da terra. S. João repousa com abandono e ternura sobre o Coração de Jesus. É a realização de um quadro do Cântico dos Cânticos: «O meu Bem-Amado é para mim e eu sou para ele … Eu sou para o meu Bem-Amado e o seu Coração volta-se para min» (Cant. 2).
Jesus compraze-se na sua imolação eucarística. Esta Páscoa fecunda, que Ele acaba de celebrar com os seus discípulos, renovar-se-à sobre o altar até ao fim dos tempos. É o maná do Novo Testamento, o pão da vida, o pão dos fortes, as delícias dos santos, o penhor da salvação e da ressurreição.
S. João, o apóstolo virgem, o amigo do Esposo, o familiar de Cristo, extasia-se com a comunhão que acaba de fazer, deixa cair ternamente a sua cabeça sobre o peito do seu Mestre querido. Ele é puro, e a castidade dos sentidos e do coração permite ao homem a intimidade com Deus. Atracção inefável que desprende o discípulo da terra e o eleva à região superior da beatitude e do amor.
O discípulo bem-amado apoia sobre o coração sagrado de Jesus os seus lábios donde brotarão os rios da teologia sagrada, a sua fronte que tantos raios maravilhosos de ciência e de sabedoria devem ornamentar, e cingir a auréola dos apóstolos, dos profetas, das virgens, dos mártires.
Cristo reservou a ele somente, porque é puro, escrever com a sua mão os mistérios da pureza incriada, do Verbo de Deus feito carne pela salvação do mundo.
S. João, discípulo bem-amado, atraí-nos convosco para o peito de Jesus quando estamos unidos a Ele na comunhão.
Resoluções. – Eis o Coração que tanto amou os homens, que nada poupou por eles para lhes assinalar o seu amor! E eu que farei para lhe dar amor por amor? Irei à Eucaristia com uma pureza e um fervor que me aproximam das disposições de S. João.
Colóquio com S. João.
(Leão Dehon, OSP 3, p. 364ss. Tradução do Pe. José Jacinto Ferreira de Farias, SCJ)


terça-feira, 27 de março de 2018

-As aparições de Jesus-José Salviano.


07 de abril – Ano B

Evangelho Mc 16,9-15

-As aparições de Jesus-José Salviano.

Jesus sabia muito bem que o fenômeno psicológico da FÉ não acontece no coração, mas sim, no nosso cérebro.
Porém, Jesus quis respeitar a cultura daquele povo, que acreditava que a fé, assim como as demais emoções, acontecia no coração.
E foi por isso que Ele criticou os discípulos pela falta de fé e pela “dureza de coração”.  
Os amigos de Jesus presenciaram inúmeros milagres realizados por Jesus, portanto, não era justo que duvidassem da sua ressurreição! Aí se explica a irritação do ressuscitado.
Jesus até disse mais de uma vez, que Ele iria voltar à vida no terceiro dia. Anunciou para os discípulos toda a sua trajetória final da sua estada na Terra. Portanto, por que aquela incredulidade?
Nós devemos copiar a fé daqueles que testemunharam as aparições de Jesus, os quais, embora ficassem assustados, desconfiados, acabaram por se convencerem de que realmente se tratava de Jesus, de que verdadeiramente Ele havia voltado à vida de forma gloriosa, vencendo a morte.
A nossa fé não pode ter vacilos.  Pois vacilar na fé, é o mesmo que não reconhecer Jesus Cristo, o próprio Filho de Deus, aquele que provou sua divindade através de muitos milagres.
Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho”.  Essas foram as palavras de Jesus ressuscitado, aos discípulos reunidos. Isso foi o mesmo que dizer:  Pare de duvidar, e vão a luta! Pare de questionar, e vão trabalhar! Vão dizer a todos que o Filho do Homem não está morto, mas sim, vive.
É o que nós devemos fazer. Cada um de nós. Seja pela palavra, seja pelo nosso testemunho e pelo nosso exemplo.
Pois se não acreditamos naqueles que viram Jesus, o ressuscitado, em quem mais acreditaremos?  A fé dos apóstolos é o alicerce da nossa fé cristã.
Eles viram e creram. Eles e elas viram e se convenceram que realmente, Jesus era o Filho de Deus!
Nos dias de hoje, esse é o nosso desafio: Anunciar Jesus neste mundo de hoje, um mundo descrente, ou de uma fé superficial.  Muitos hoje até aceitam a abraçar a fé, porém, não querem cruzes, ou seja, sem sacrifícios. Querem um Deus de amor, um Deus “quebra galho”, um Deus que lhes satisfaçam as suas vontades, que lhes permitam fazer certas coisas, como por exemplo, encher a cara todo dia, brigar uns com os outros,  ter mais de uma mulher, comungar sem se confessar, e outros absurdos que vemos por aí.
Caríssimas, e caríssimos. A ressurreição de Jesus é o nosso argumento final, a nossa prova máxima de que Jesus não era um homem qualquer, mas sim, Deus no meio de nós.  
E Ele está no nosso meio hoje. Não só durante a Santa Missa, mas nos demais lugares, desde que o reconheçamos onipresente, desde que o seguimos com toda a nossa alma.

Acredite, e tenha um bom dia. José Salviano.

   




-A terceira aparição de Jesus-José Salviano.


06 de abril – Ano B

Evangelho Jo 21,01-14


Os apóstolos voltaram a sua vida normal depois da morte de Jesus. Pelo menos era o que eles estavam tentando faser. Pois não estavam conseguindo pegar nenhum peixe. É claro. Sem Jesus tudo é muito  mais difícil.
Sem mim nada podereis fazer “.
E é assim que acontece a muitos por esse mundo afora. Eles abandonam a fé, desistem de Deus e tentam levar a suas vidas por contra própria, com os seus poucos recursos naturais. Se acham bastante inteligentes e sortudos para conseguir sobreviver sem a ajuda de Deus.
Até conseguem! Porém, por uns tempos. Depois, tudo começa a ruir, a desabar, e é só problema atrás de mais problemas.
E, prestem atenção!  Isso é muito mais acentuado para aqueles que foram chamados por Deus para a missão de evangelizar, e se recusaram depois de um certo tempo.
Durante o tempo em que se entregaram ao serviço do Reino dos Céus, apesar da solidão, e ou de outras dificuldades naturais, o resto tudo corria muito bem.
Agora, sem Deus, sua vida se transformou em um caos. Parece estar em uma areia movediça. Quanto mais se mexem tentado se escapar do poço, mais se afundam nele!
Infelizmente, o mundo está quase cheio de pessoas desse tipo. Pessoas que não rezam, pessoas que tentam sobreviver com seus próprios recursos, pessoas que roubam, desfalcam, subornam, corrompem entre outras maldades e crueldades.
E é exatamente por isso que o nosso velho mundo está indo de mal a pior.
Maldosos que prejudicam e exploram os indefesos, os quais sem ter para quem recorrer, sofrem e se desesperam, em vez de recorrer ao socorro do Alto.
Você percebeu que o ressuscitado apareceu na praia num CONTEXTO EUCARÍSTICO?
O Pão  partilhado ali na areia representa a Eucaristia.  A Eucaristia é o lugar privilegiado e apropriado para experimentar o ressuscitado o qual vive em nosso meio, sem que muitos  o percebam, nem o experimentam.
Esse fato histórico ocorrido na praia, e que é relatado por este Evangelho, nos relata a terceira aparição de Jesus aos seus discípulos.
Jesus partilhou o pão e os peixes com os pescadores seus discípulos. Também nós vamos partilhar o pão com os famintos. Vamos matar a fome daqueles e daquelas que não têm o que comer.
Fazendo isso, os nossos pecados serão perdoados. Pois Jesus disse: “eu quero caridade e não sacrifícios”.

Tenha um bom dia. José Salviano.



-A paz esteja convosco-José Salviano.


05 de abril – Ano B

Evangelho Lc 24,35-48


E Jesus apareceu no meio deles e disse: A paz esteja convosco.
É isso. É de paz que estamos necessitados. Paz na nossa família, na escola, na sociedade, paz nos morros e nas favelas.
E esta paz só a conseguiremos quando deixarmos  que Deus governe a nossa vida. Se entregarmos a Ele todos os nossos problemas e frustrações, com certeza, teremos paz.
Nunca vamos ficar livres de problemas, pois eles fazem parte da existência. Porém, se estamos ao lado do dono do mundo, se estamos com aquele que pode tudo, problema não é mais problema!  Ou seja, a solução nos vem do Alto.  Não se trata de mágica, mas sim de FÉ.  “Tudo é possível a aquele que tiver fé” .
Jesus ressuscitado não é um fantasma!  E isso precisava ficar bem claro nas mentes dos discípulos.  A ressurreição de Jesus não  era uma alucinação coletiva.  Várias foram as aparições de Jesus, e os testemunhas desta realidade, desfrutavam de plena saúde, portanto, não se tratava de nenhum ilusionismo barato.
A ressurreição foi um fato real, um ato de fé, que estava acontecendo naquela comunidade.
E, ao contrário do que  aconteceu com os milagres, para os quais o Mestre recomendava que não se contasse a ninguém, agora, é diferente. Jesus ordena que as testemunhas de sua volta à vida, fossem contar aos demais.
E esta, meus irmãos, é a nossa missão. Devemos cumprir a ordem de Jesus, e ir anunciar a sua ressurreição a todos, para que eles acreditem e se salvem.
Não podemos pensar somente na nossa salvação. Precisamos  trabalhar no sentido de que o ressuscitado seja anunciado, e que todos acreditem e se salvem também.
Para tranquilizar os discípulos, Jesus lhes aparece desejando-lhes a PAZ.
Pois sem paz não podemos evangelizar. Sem a paz interior, sem a paz com Cristo e com os irmãos, estaremos com a consciência pesada, ansiosos, sem concentração, sem a devida competência ou preparo  para transmitir a palavra de Deus ao mundo.
Primeiro, precisamos nos purificar, para poder purificar.
Primeiro precisamos nos alegrar, para poder alegrar.
Primeiro precisamos encontrar Deus para depois poder levá-lo ao irmão.
Primeiro precisamos nos santificar para depois santificar alguém.
Primeiro necessitamos acreditar de verdade, para em seguida conduzir aos demais a terem fé autêntica.

Faça isso e tereis a vida eterna. Tenha um bom dia. José Salviano


-Eles iam para Emaús-José Salviano.


04 de abril – Ano B

Evangelho Lc 24,13,35


Os dois discípulos, caminhavam rumo a um povoado chamado Emaús. Andavam tristes cabisbaixos, decepcionados, sem esperanças, e portando, COM A FÉ EM CRISE, assim como os demais. Para eles era inadmissível o que estava acontecendo. Aquele que provou ser o Filho de Deus vivo através de muitos milagres, agora se foi. Está morto, e ainda disseram que o seu corpo foi roubado...
Muitos de nós já passou por essa experiência horrível! CRISE DE FÉ!
Isso pode nos acontecer principalmente quando esperamos o apoio e a ajuda dos membros da Igreja para nos  dar forças em um momento de desespero causado por alguma tragédia, e não encontramos um ombro amigo para nos ouvir, e acima de tudo, para nos ajudar. E, pelo contrário, eles dizem que o que nos aconteceu foi merecido, pois fomos culpados de não termos sido cautelosos, e mais prudentes.
Pode crer, essa é a maior causa de uma crise de fé. O fato de ter sido abandonado por aqueles a quem colocaríamos a nossa mão no fogo pela sua fidelidade, pela sua caridade a toda prova!
E o que aconteceu? Aquelas e aqueles os quais depositávamos toda a nossa confiança, um dia, fizeram como os apóstolos quanto Jesus foi preso. Eles sumiram! Ligamos para eles, e não nos atendem! Mandamos mensagens e não nos respondem! Esperamos que venham nos visitar, nos apoiar, e nada acontece!
E por causa disso, aconteceu uma grande falha na nossa credibilidade, o que provocou uma crise na nossa fé.
É fato constatado de que quando somos acometidos de uma crise desse tipo, passamos a não ter mais vontade de rezar, não vamos mais à missa, e isso tudo é por que o diabo se aproveita dessa situação para nos arrastar para o seu lado!
Porém, minhas irmãs e meus irmãos, com toda certeza, depois que passar aquela tempestade, aquele vendaval em nossa existência, sem menos esperar, notamos uma mão estendida bem ali do nosso lado direito, para nos resgatar do fundo do posso sujo de lama a que nos metemos. Essa mão é a mão de Jesus que se nos oferece para nos levantar, para nos animar, para que possamos recomeçar, para que possamos perdoar aqueles que nos traiu a confiança e a amizade, nos abandonando em um momento tão delicado em nossa vida.
Queridas irmãs, queridos irmãos. Os males que nos acontecem na nossa caminhada vital, têm o poder de nos trazer de volta à amizade com Deus. Porém, pode acontecer que, se não estamos firmes na fé, podemos ser tentados pelo capeta a nos sentir abandonado por Deus, e com todo direito de nos revoltar, de não mais rezar, de ir à missa e muito menos catequizar.
Para que isso não lhe aconteça mais, de hoje em diante, leve muito a sério a força e o poder da oração. Não relaxe nas orações, não arrume desculpas na hora de rezar. Aliás, como Jesus recomendou, rezar não tem hora. “Vigiai e orai sem cessar...”  Podemos rezar a todo instante, a todo momento de nossas vidas. Pois para isso basta elevar o nosso pensamento ao Pai, aquele que vê tudo até o que se passa em nossas mentes.

Reze para nunca ter crise de fé! Tenha um bom dia, José Salviano.
  





-Levaram o meu Senhor!-José Salviano.


03 de abril – Ano B

Evangelho Jo 20,11-18



Mais uma vez, Jesus nos ordena para anunciarmos a sua ressurreição. “...vai dizer aos meus  irmãos”.
Jesus não queria que ninguém ficasse lamentando o seu “sumiço”, mais sim, que se alegrasse, e fosse à luta, que fosse anunciar a todos o fato que acabara de constatar.
Maria Madalena inconformada com a morte daquele inocente, chorava por causa de tamanha injustiça, e crueldade!  Desconsolada e muito triste, bem ali, ao lado do túmulo, estava ela,  quando ouviu um voz que lhe dizia: “Porque choras?”
Era Ele! Ela o reconheceu!  Madalena reconheceu a voz de Jesus, aquela mesma voz de ternura, de amor, de compreensão, de perdão, de confiança, e acima de tudo de muita coragem!
Era o Mestre! Não teve a menor dúvida!
Precisamos ter a mesma atitude mental de Maria Madalena. Reconhecer Jesus na Hóstia consagrada, reconhecer Jesus quando nos chama por meio de um sofrimento, acreditar que Jesus nos fala por meio do Evangelho, por meio de acontecimentos, às vezes por meio,  de alguma pessoa que por vezes aparecem do nada.
Jesus nos ama e nos chama direto. Vamos parar de ficar lamentando as nossas perdas, as nossas desgraças, e acreditar que temos um Pai que nos ama com amor de mãe, e quer que sejamos salvos um dia.
O sofrimento não é castigo de Deus.  O sofrimento tem uma grande importância, um grande significado  para a nossa salvação. É por meio dele que nos lembramos de Deus, que acordamos para a realidade de que sem Deus tudo é desgraça. Mesmo que aparentemente estamos numa boa, logo depois da folia, vem as dores, as consequências do nosso viver sem regras, sem limites, sem Deus!
E a primeira ordem do Mestre foi: Mais vai dizer aos meus irmãos...
E Maria Madalena foi às pressas avisar aos discípulos, dizendo: Eu vi o Senhor.
Quantos de nós já teve experiência semelhantes a de Maria Madalena?  E quantos de nós que continuam de braços cruzados, sem se preocupar com a salvação dos irmãos?
Caríssimas e caríssimos. Você está na amizade com Deus? Maravilha! Mas por favor, não se esqueça da ordem de Jesus. ...vai dizer aos meus irmãos!
Vai contar a todos quantos puder, o quão maravilhoso é viver na presença de Deus Pai. Como é bom a experiência com Deus! A nossa vida se desenvolve de forma tranquila, apesar de que também temos problemas, como quase todos. Só que os nossos problemas não são aterrorizantes como os daqueles que viraram as costas para Deus. Os nosso problemas são de fácil solução, mesmo porque, e principalmente, contamos com FORÇA DO ALTO!

Não seja tolo! Experimente viver com Deus e para Deus  em Deus. É muito melhor!
Tenha um bom dia. José Salviano.


-Alegrai-vos!-José Salviano.


02 de abril – Ano B

Evangelho Mt 28,8-15


Jesus neste Evangelho está nos dizendo para nos alegrar pelo fato dele ter ressuscitado.
Precisamos ter em conta que o mesmo Jesus que sofreu as agruras da Paixão, é o mesmo que agora nos diz: Alegrai-vos! Não tenhais medo, ide anunciar aos meus irmãos...
Nós também, em vez de ficarmos presos aos sofrimentos de Cristo, precisamos superar essa experiência e ficarmos alegres, confiantes, e partir para a luta, partir para missão de anunciar o Cristo ressuscitado a quantos nós o conseguirmos.
Hoje, anunciar o Evangelho, é coisa muito fácil. Pelas redes sociais, pelo Blog, pelo Site, etc. Existem mil e uma maneira da gente  mostrar o ressuscitado a todos.
O túmulo vazio foi a primeira evidência  da ressurreição de Jesus Cristo. Agora sabemos que Ele vive. Sabemos  que Ele não foi vencido pela morte como o queriam os seus inimigos, mas sim, pelo contrário, Cristo venceu a morte.
Ele voltou glorioso à vida. Crer na ressurreição, não é um fato corriqueiro. Mas sim, crer no Cristo vivo é condição indispensável para podermos seguir Jesus, seus ensinamentos, e acima de tudo para anunciá-lo a todos.
Que o fato histórico da ressurreição de Jesus seja para nós um estímulo para também nos ressuscitar. Para passarmos da morte para a vida, ou seja, para nos converter, passando do pecado para uma vida nova, e assim alcançarmos um dia a glória eterna.
Vamos também nós, correr para anunciar a ressurreição, correr para mostrar ao mundo que a nossa fé não é vã, mas sim, fundamentada  em milagres, sendo o maior deles, a volta de Jesus à vida.
E correr, é preciso. Essa ligeireza é necessária em nossos tempos.  Pois muitos são aqueles que estão se desviando dos caminhos de Deus, e escolhendo caminhos outros, caminhos que levam a morte tanto do corpo como da alma.
Tomemos cuidado com a nossa maneira de evangelizar. Não a façamos de maneira fria ou mesmo indiferente, falando por falar, como quem reza apenas com os lábios.
Assim como a verdadeira oração deve brotar de dentro da nossa alma, a nossa catequese deve sair de dentro de nós, com muita devoção, e não apenas com palavras bonitas, como quem declama versos, muito menos com gritos que não levam a nada.
Na nossa catequese deve mostrar a todos que estamos  falando do que acreditamos. Deve ser fundamentada nas provas da divindade de Jesus as quais estão no próprio Evangelho.

Acredite, e tenha um bom dia. José Salviano.