.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

QUEM RECEBE DEVE SER GRATO - Maria de Lourdes Cury Macedo.


Comentário para Domingo, 9 de outubro de 2016.
Evangelho de São Lucas 17,11-19.

A Palestina no tempo de Jesus tinha três regiões: Galileia ao norte, Samaria ao centro e Judeia ao sul. Portanto a Samaria ficava entre a Galileia e a Judeia. Os samaritanos eram descendentes de israelitas do tempo do cativeiro babilônico. Aconteceu que eles se misturaram com povos pagãos e assimilaram os costumes dos pagãos, começaram a cultuar muitos ídolos, apesar de não ter abandonado a Lei de Moisés. Esse era o motivo que samaritanos e judeus se odiavam, para os judeus, os samaritanos eram como se fossem estrangeiros.
Jesus caminhava para Jerusalém e estava entre as fronteiras da Galileia e Samaria. Quando ia entrando numa aldeia os leprosos viram Jesus que se aproximava e foram ao seu encontro gritando: “Jesus, Mestre, tem piedade de nós”! A Lei proibia aos leprosos que se aproximassem das pessoas sãs. Não podiam ficar no meio do povo. Viviam fora da cidade e dos povoados, excluídos, isolados da presença dos outros. A lepra era o símbolo máximo da exclusão.  No livro Levítico 13,44-46 encontram-se as regras que os leprosos deveriam seguir. Ao se aproximar de alguém deveriam anunciar que estavam contaminados com a lepra, doença que naquela época era incurável e contagiosa. Os leprosos viviam em grupos com a finalidade de tornar menos dura a vida. O fato deles irem ao encontro de Jesus, mostra que a missão de Jesus é de se encontrar com aqueles que estão estado de extrema marginalização, e o encontro de Jesus com os leprosos era para incluí-los na sociedade novamente. Eles pedem compaixão e Jesus tem compaixão! Compaixão é sentir a dor do outro, é sentir com o outro a sua dor.
Chamam Jesus de Mestre. Ele é o verdadeiro Mestre, é aquele que faz desaparecer todas as falsidades, quer no plano da doutrina, quer no plano da vida. Jesus ensina a verdade e dá exemplo. Ele dá todas as graças necessárias para que compreendamos sua doutrina e pratiquemos os mandamentos.
Jesus atende o chamado repleto de fé, respeito e confiança dos leprosos. Jesus manda que os leprosos se apresentem aos sacerdotes, lhes dá a cura, quando estavam a caminho. Por que Jesus mandou-os se apresentarem ao sacerdote? Porque só podiam apresentar-se no Templo depois de curados e eram os sacerdotes que verificavam se já estavam curados ou não. E declarados curados os leprosos eram admitidos na vida pública novamente, podendo conviver na sociedade. O sacerdote é o representante da religião, era quem determinava se estava puro ou impuro. Jesus não rompe as normas da Lei, Ele age dentro da Lei. Se é o sacerdote representante da religião que exclui, também é a religião que inclui.
Jesus aproveita a oportunidade para testar a fé daqueles leprosos. Promete a cura, mas manda que eles já fossem caminhando para o Templo, a fim de se mostrar aos sacerdotes. E os leprosos foram, obedecendo à ordem de Jesus, demonstrando que realmente tinham fé. Eles foram curados pela fé e obediência à Palavra de Jesus.
A lepra pode ser considerada como figura do pecado. O pecador para purificar-se desse mal, para ter pureza de coração, necessita caminhar até o sacerdote para receber a garantia de já estar curado de seus pecados.
Eram dez leprosos pedindo misericórdia. Jesus curou os dez, mas apenas um voltou para agradecer e justamente o samaritano mostrou um coração reconhecido e agradecido pela grande graça alcançada. Eles creram em suas Palavras e foram curados. O samaritano ao voltar para agradecer recebeu outra cura, a cura da alma, os outros ficaram satisfeitos com a cura do corpo, mas a cura da alma é fundamental. Não basta ter o corpo curado, é preciso ser salvo.
Jesus pergunta: “Não eram dez? Onde estão os outros? Os outros eram judeus, só o samaritano, excluído, tido como estrangeiro voltou para agradecer. Jesus se queixa da ingratidão de nove leprosos e agradece o gesto do samaritano. O gesto de Jesus de curar foi gratuito, misericordioso, teve compaixão de todos que sofriam com a terrível doença. Mas quem recebe a graça, a cura tem que ser reconhecido e ser grato, é o que podemos aprender com Jesus.  Fazer o bem, sim, gratuitamente e quem recebe deve ser agradecido é a lição que aprendemos nesse episódio.
Será que nós também nos lembramos de agradecer a Deus os benefícios que diariamente recebemos do Senhor?! Deus é o nosso maior e principal benfeitor. Dele recebemos tudo o que somos e o que temos. Ser grato a Deus nos aproxima ainda mais a Ele, a ingratidão afasta de nós muitos auxílios e graças especiais que Deus poderia conceder-nos. Se correspondermos generosamente, Deus continuará derramando sobre nós suas bênçãos e graças. Escreve São Bernardo: “A ingratidão é o inimigo da alma; desvirtua o merecimento, estraga as virtudes, corrompe os benefícios; é vento abrasador que seca a fonte da benevolência divina.”
É muito comum as pessoas não buscarem Deus, mas o milagre. E quando recebem o que pediram não voltam mais à Igreja. Procuram Deus quando estão passando por dificuldades de todos os tipos, quando a dificuldade passa, quando seus problemas são solucionados, se afastam da Igreja, não perseveram nas práticas religiosas, não são agradecidos, não se empenham em difundir o Reino de Deus entre os irmãos, na comunidade. Deus quer pessoas perseverantes e agradecidas, independente de ter ou não recebido favores. Deus quer pessoas de fé, gratas, que realmente encontraram-se com Ele e vão permanecer com Ele.
Abraços em Cristo!
Maria de Lourdes





         

5 comentários:

José Efigênio Pinto disse...

Maria de Lourdes; bela reflexão, que Deus continue iluminando esta sua caminhada.

José Efigênio Pinto disse...

Maria de Lourdes; bela reflexão, que Deus continue iluminando esta sua caminhada.

José Efigênio Pinto disse...

Maria de Lourdes; bela reflexão, que Deus continue iluminando esta sua caminhada.

José Efigênio Pinto disse...

Maria de Lourdes; bela reflexão, que Deus continue iluminando esta sua caminhada.

Anônimo disse...

Eu todos os dias faço a leitura do dia e complemento com os comentários dessa equipe para complementar meus ensinamento e por em prática muito obrigado, que o Senhor Deus continue derramando benção a todos na Paz de Cristo, Jair Ferreira.

Postar um comentário