.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

De que temos medo?-Alexandre Soledade

7 de Outubro de 2016- Sexta - Evangelho - Lc 1,26-38


Antigamente, anterior ao concilio vaticano II, ela era venerada como Nossa Senhora da Vitória, em virtude de ter sido creditado a ela os méritos de uma grande vitória em uma batalha, que acontecia SIMULTANEAMENTE em que os fieis faziam a procissão do rosário. A ela ainda é atribuída a concepção de vitória sobre os problemas, pois vê-se nela a mulher destemida que aceita sem medo encarar das situações adversas.
De que temos medo? Que batalhas precisam ser vencidas?
Fisiologicamente nosso corpo responde aos medos com uma descarga de adrenalina na corrente sanguínea. Ela ( a adrenalina) gera em nós respostas físicas como o “suor frio”, a dilatação das pupilas e principalmente a resposta de fuga. Essa resposta é diferente em cada um de nós. Em alguns, a adrenalina gera a idéia convicta de correr ou fugir do agressor a outros a resposta é a posição estática, ou seja, nada consegue fazer.
Um exemplo: Ao vermos nosso filho quase caindo do berço, da cama ou do sofá, alguns ainda conseguem ter a reação de correr e alcançar antes que o fato que se consuma, porém outros não conseguem nada fazer a não ser gritar e por as mãos a cabeça…
Esse exemplo é muito comum em casa, mas existem outros exemplos que poderiam se simplificar num questionamento: Como eu respondo aos medos e as tempestades? CORRO OU ENFRENTO?
Problemas não devem ser encarados como uma disputa de carros num racha – onde o que chegar à frente ganha –  NÃO É BEM ASSIM. Quando encaro medos e problemas como racha não observo as pessoas, tão pouco ligo para elas, pois quero sair vencedor. Essa é a forma mais comum de vermos as pessoas responder: resolvo meu problema e bananas para os outros.
Antes de encarar o medo (ou problema) devo mudar a forma como respondo a ele. A resposta ao meu problema não pode ferir quem esta ao meu redor, mas também não pode limitar na vontade do outro. Como assim? A mulher que apanha em casa covardemente não pode ficar com “dó” de denunciar seu agressor. Por mais que queira bem ao seu amado, cessando as alternativas de dialogo, querer bem é preservar-se da agressão. A fisiologia humana parece conspirar contra nossa vontade de se defrontar com o agressor, que denota que precisamos treinar mais para termos a melhor resposta ao estimulo.
Treinar mais não é viver agora a procurar encrenca, ok?
Alguém fala, retruco! Brigam comigo, imediatamente respondo! Isso não é treino, é intempestividade.
Maria, hoje, é relembrada pela forma que respondeu aos seus medos. Ela bem sabia que ter um filho sem um marido poderia lhe ocorrer. Engraçado, ela nem correu e tão pouco ficou estática como a pessoa que levou um grande susto, Maria respondeu e melhor que isso, deu a melhor resposta. “(…) Eu sou uma serva de Deus; que aconteça comigo o que o senhor acabou de me dizer! “.
Realmente, Maria deu a melhor resposta, pois treinava muito o “sim” a Deus, sendo assim, não teve medo. Maria era como o jovem que estuda e enfrenta o vestibular com naturalidade; ou como um cirurgião diante às dificuldades e complicações de uma cirurgia delicada; ou como uma mãe ou pai que pula na frente de um carro pra salvar a vida do filho (…); ela responde como muitos de nós responderíamos ao vermos algo que queremos muito. Ela sonhava com o reino de Deus e tinha um propósito em toda sua criação
“(…).Eis as ordenações, as leis e os preceitos que o Senhor, vosso Deus, me ordenou ensinar-vos, a fim de que os pratiqueis na terra aonde ides entrar para tomar posse dela Assim, temerás o Senhor, teu Deus, observando todos os dias de tua vida, tu, teu filho e o filho de teu filho, todas as leis e os mandamentos que te prescrevo, e teus dias serão prolongados. Tu os ouvirás, pois, ó Israel, e cuidarás de cumpri-los, para que sejas feliz e te multipliques copiosamente na terra que mana leite e mel, como te prometeu o Senhor, o Deus de teus pais. Ouve, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças”. (Deuteronômio, 6, 1-5)
Ela amava a Deus de toda sua alma.
O que quero e tenho hoje vale à pena a luta? De um passo na fé hoje e de a melhor resposta! “(…) Não tenha medo! Deus está contente com você.
Que Nossa Senhora nos ajude a conquistar a vitória!
Um imenso abraço fraterno.


Um comentário:

Anônimo disse...

Seu texto é muito bom, no entanto a pontuação e outras regrinhas gramaticais deixam a desejar. Se quiser, envie-me os outros textos que você for postar aqui. Meu e-mail:zecarlos537@hotmail.com
Divino Espírito Santo, iluminai-nos sempre!

Prof. JCBarbosa

Postar um comentário