.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

O que é de Deus e o que é do mundo-Helena Serpa


17/07/2017 - 2ª. feira XV semana comum – Êxodo 1, 8-14.22 – “uma experiência de conversão e de mudança de vida.”

Depois da morte de José, o povo de Israel que se estabelecera no Egito, tornou-se numeroso e começou a sofrer as consequências pelo seu crescimento, sendo explorado e escravizado com trabalhos pesados. Entretanto, “quanto mais o oprimiam, tanto mais se multiplicava e crescia”.   Deus, porém, tinha um propósito em deixar o Seu povo sob a escravidão dos egípcios, porque assim, ele seria exercitado para de que pudesse atravessar as dificuldades que viriam mais adiante. O Egito para o povo de Israel era lugar de escravidão, mas também de aprendizado. Assim também nós percebemos que acontece na nossa vida, quando atravessamos as etapas de sofrimento, de desolação e opressão. Mesmo quando nos encontramos em estado de pecado e nos sentimos seus escravos Deus tem um propósito em permitir que atravessemos o vale da sombra da morte a fim de que reconheçamos a nossa real situação de pecadores necessitados de salvação. A pessoa que não passa pela experiência do pecado ou não se sente culpada, não consegue ter também uma experiência de conversão e de mudança de vida. Na nossa experiência de pecado o Senhor nos prepara para sairmos da inanição e marcharmos firmes em busca de uma terra prometida. A fé, então nos direciona e nessa caminhada nós precisamos do conhecimento que  adquirimos nas horas tormentosas quando enfrentamos os maiores obstáculos, confiando em Deus.  O Egito também para nós, é o tempo em que  estamos aqui na terra sujeitos às intempéries da vida, sendo objetos da inveja do ser humano, das maquinações do inimigo, assim como também da nossa própria humanidade decaída pelo pecado. Precisamos, da mesma forma, verificar se também não estamos fazendo parte desse povo que escraviza o irmão e se aproveita da sua fraqueza para construir o nosso patrimônio. – Você tem encontrado sentido para os seus momentos de “escravidão”? – As suas experiências têm sido pretexto para o seu crescimento? – Você já pensou que pode estar explorando alguém buscando o seu crescimento? – Você tem consciência do seu estado de pecador?  

Salmo 123 – “Nosso auxílio está no nome do Senhor”
O salmista expõe nesse canto a situação de alguém que passa pela aflição e sente a proteção de Deus.  Se o Senhor também não estivesse ao nosso lado nas diversas etapas da nossa vida, quando os homens investem contra nós, quando as águas querem nos afogar, quando o laço do caçador tenta nos prender,  com certeza, nós não teríamos condições de contar ao mundo a nossa experiência de luta e de vitória. Por isso, nós também podemos afirmar com convicção: “O nosso auxílio está no nome do Senhor que fez o céu e a fez a terra!”


Evangelho – Mateus 10, 34-11,1  - “o que é de Deus e o que é do mundo”
Neste Evangelho Jesus nos orienta a viver aqui na terra sabendo distinguir o que é de Deus e o que é do mundo, e nos dá um veredicto: Ele em primeiro lugar! Em primeiro lugar o Evangelho e os Seus ensinamentos. Por isso,  não podemos seguir o ensinamento daqueles que contradizem a Sua Palavra mesmo que sejam pessoas muito queridas para nós, como nosso pai ou nossa mãe.  O seguimento a Cristo nos condiciona a tê-Lo em primeiro lugar na nossa vida! Antes de tudo, precisamos vivenciar o Evangelho e os ensinamentos de Deus Pai, que Jesus veio nos revelar. A Palavra de Deus é bússola para nossa caminhada. Com efeito, precisamos perceber em que ponto estaremos indo contrário ao que Jesus nos ordena. Com este ensinamento Jesus vem arrancar das nossas mãos a paz da acomodação e nos entregar a espada do Espírito Santo para que possamos lutar contra toda heresia e contra testemunho. Ele veio trazer a Sua paz que é gerada na justiça de Deus e na Sua vontade para a nossa vida. O homem justo é aquele que faz a vontade de Deus e vive de acordo com os Seus ensinamentos.   A vontade de Deus, portanto, é soberana e está acima da vontade dos homens, por isso, Ele é bem claro e explícito quando afirma que não é digno de si todo aquele que ama seu pai e sua mãe mais do que a Ele. Amar aqui significa ouvir, seguir, dar atenção, privilegiar, enfim, ter mais consideração e obedecer. Jesus não veio nos separar fisicamente uns dos outros, mas sim, das ações, da mentalidade e das práticas dos que são do mundo.   Quem quiser seguir a Jesus não ficará sem recompensa! Quem acolher aquele que vem em Seu Nome será acolhido também pelo Pai!    Quem  tomar a sua cruz assumindo a vida dentro dos conceitos evangélicos imitando a Jesus que morreu na Cruz para nos salvar será digno de ser Seu discípulo. Assumimos a cruz quando nos apossamos da salvação de Jesus e não queremos promover a nossa própria salvação.   -  A quem você costuma seguir: ao que Deus lhe recomenda ou o que os seus queridos lhe sugerem? – Você seria capaz de fazer uma opção radical por Deus, mesmo que fique contra toda a sua família?  -  Você já tentou atrair a sua família para Deus, da mesma forma que as outras pessoas tentam atraí-la para o mundo?



Um comentário:

Mariano Silveira disse...

DEUS te abençoe e te ilumine. Obrigado p/ reflexão.

Postar um comentário