.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

QUAIS SÃO OS NOSSOS VALORES? – Maria de Lourdes Cury Macedo.


Domingo, 30 de julho de 2017.
Evangelho, Mt 13, 44-52.

Jesus veio construir entre nós o Reino de Deus. Reino que quando encontrado e vivido muda a nossa vida, porque é de grande valor como um tesouro riquíssimo.
Jesus fala que o Reino de Deus é um tesouro escondido, porque só Deus é que nos poderia fazer descobrir essa felicidade. Quem encontra um tesouro vai vende tudo que tem. Seus parentes e seus vizinhos não conseguem compreender essa sua loucura. Vender tudo, apenas para comprar um campo que aparentemente nada tem de extraordinário.
O maior tesouro é o Reino de Deus. Quem descobriu a felicidade, a grandeza da vida nova que Deus nos oferece, está pronto também a sacrificar tudo, ou seja, deixar a vida velha, os falsos valores. Para ele o supremo valor passa a ser o Reino de Deus, tudo o mais é secundário. Se for preciso, abandona riquezas, posição, honra e poder, deixa tudo para aceitar a vida nova do Reino, a salvação oferecida por Deus. Quem descobre o valor do Reino dos Céus é capaz de investir tudo para se comprometer com ele. Pode até ser julgado exagerado e fanático.
A segunda parábola fala do comprador de pérolas, traz a mesma mensagem, vender tudo para comprá-la. Simboliza aquelas pessoas que estavam buscando a verdadeira felicidade e que conseguiram encontrá-la.  Deixam tudo que é nada por um valor que é tudo, o Reino de Deus.
Jesus apresenta mais uma comparação da vida de seus ouvintes. É a parábola da pesca com a rede. Deus lança sua rede, pega todo tipo de peixe, isto é, oferece a salvação para todos. O mar é o mundo, a rede são as oportunidades que Deus nos dá, e os peixes somos nós, cada um do seu jeito, com sua maneira de ser, com suas diferenças. Cabe a cada um de nós, tomar sua decisão. Deus quer todos nós juntos dele, não quer que nenhum seja jogado fora. Estamos todos na rede, mas não compete a nós fazer a separação entre bons e maus. Nós julgamos apenas pelo exterior. É Deus que no momento certo fará a separação. Enquanto não chega esse momento do julgamento, o que devemos fazer é trabalhar para que todos aceitem o Reino, é ser fermento na massa.
O Reino de Deus é oferta de misericórdia, é oferta de vida. Quem  recusa a vida, resta apenas receber a morte. Quem recusa a misericórdia não vai se encontrar com a felicidade proposta por Jesus.
Jesus a sós com seus discípulos, mostra a eles que entender a doutrina do Reino é muito mais do que saber repeti-la, é saber vivê-la. É fazer com que essa doutrina se torne parte de nós mesmos, que nos oriente, que nos dê as medidas justas para julgar as coisas e os acontecimentos, dando-lhes o devido valor. Assim como Deus deu sabedoria a Salomão, que nós também tenhamos sabedoria para discernir o que tem realmente valor e o que não tem.
As parábolas de Jesus que vimos hoje chamam nossa atenção para o supremo valor que devemos dar à salvação. A vida nova que Deus nos oferece não pode ser sacrificada por nenhum outro valor humano. Chamam também nossa atenção para a coragem que devemos ter, a prontidão com que devemos aceitar a oferta de Deus.
O homem, o qual encontrou o tesouro, e o negociante, o qual encontrou uma pérola extraordinária, experimentaram uma grande alegria. E nós? Se nós encontramos o Reino e entendemos o grandioso valor dele, só podemos também ficar radiantes e trabalhar para que outros também encontrem essa felicidade.
Abraços em Cristo!
Maria de Lourdes


Um comentário:

Anônimo disse...

Eu todos os dias faço a leitura do dia e complemento com os comentários dessa equipe para complementar meus ensinamento e por em prática muito obrigado, que o Senhor Deus continue derramando benção a todos na Paz de Cristo, Jair Ferreira.

Postar um comentário