.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Jesus queria a misericórdia e não o sacrifício-Alexandre Soledade

21 de julho -- Sexta - Evangelho - Mt 12,1-8


Bom dia!
Uma interpretação possível desse texto nos faz lembrar situações comuns em nosso dia-a-dia: hipocrisia, falsos moralismos, pré-julgamentos e a inveja. Como nossa vida seria “tediosa” sem elas? (Risos). Quem nunca chorou ou se entristeceu por uma ou mais dessas situações?
Existem pessoas, (muitas vezes até nós mesmos) que perdem horas do seu dia semeando e colhendo essas plantinhas de desamor. Minha avó dizia que o que plantamos nasce, creio eu que na verdade o que plantamos nasce se adubarmos ou regarmos. Uma ideia, uma palavra mal colocada ou refletida, pode ser superada se não a levarmos para frente. Explicarei melhor (…)
Convido a lembrarmos da ultima vez que me irritei com algo ou alguém. Qual foi a razão? Será que conseguimos lembrar se foi algo que realmente merecia todo aquele alvoroço? Será que minha atitude condiz com que penso ou foi uma explosão movida por algo mais?
Jesus nos trouxe a Boa Nova como um alimento diário – um pão de cada dia. Esse pão é recheado de sabor, pois deriva de palavras de solidariedade, honestidade, compaixão, misericórdia, (…) São palavras doces que até na mais dura das exortações e mediante toda a tristeza que o arrependimento nos proporciona, não nos causa sofrimento. Essa tristeza que deriva do sentimento puro de arrepender-se gera em nós posteriormente a paz. No entanto as palavras que saem de nossa boca, quando recheadas de hipocrisia, falsos moralismos, pré-julgamentos e a inveja, colocam o ser mais seguro em situação de fragilidade.
“(…) Pois a tristeza segundo Deus produz o arrependimento e, assim, leva à salvação. E isso ninguém lamentará! Mas a tristeza segundo o mundo produz a morte”. (II Coríntios 7, 10)
Conheci uma senhora que conseguia fazer com que qualquer conversa se tornasse angustiante. Ela sabia da “vida” de cada um e o que não conhecia, ela própria criava um enredo que até a própria Glória Peres se emocionaria (risos). A criação fértil daquele que procura ver o defeito em tudo, e em especial nas pessoas, é uma coisa incrível. E como o próprio nome já diz – fértil – torna-se um campo vasto para nascerem as sementes do desamor. Quantos de nós às vezes não somos assim. Às vezes não somos tão “férteis” como ela, mas regamos a plantinha, quando levamos a conversa pra frente
Jesus, não uma e nem duas vezes, enfrentou os férteis ou os que regavam a discórdia. Hoje os fariseus desse evangelho, podem ser todos os intolerantes, os egocêntricos, (…) que da boca brotam palavras lindas, mas o coração ainda não conheceu o amor e a compaixão.
Existem pessoas ao nosso redor que pedem uma nova oportunidade, uma chance, (…) que já demonstraram a mudança, a conversão, (…) não recebem uma chance nossa. Existem pessoas que coordenavam nossas equipes e pastorais e se afastaram, pois aconteceu uma gravidez não planejada; ou aquele (a) que se apaixonou, abandonou a casa, “amasiou”, largou e agora seus antigos amigos não o (a) recebem de volta.
Quantos casais acabaram seus relacionamentos de anos, pois um encontrou fora de casa à atenção que não recebia do (a) parceiro (a) e envergonhado resolveu voltar e não foi aceito, pois me questionei “o que os outros iriam falar”? Quantos pais bêbados num bar deixaram de ser trazidos pra casa, pois seus filhos têm vergonha dele? Quantas pessoas que por fragilidade aceitam namoros regrados a maus tratos, agressões, (…) com medo de ficar sozinho (a)?
Jesus queria a misericórdia e não o sacrifício! Amar, querer o bem, torcer por alguém, ajudar a levantar, (…) não devem ser encarados como sacrifício por ninguém. Se hoje amar, alguém que me odeia é um sacrifício, pelo menos queiramos o seu bem. Ocupemos nossos pensamentos com coisas que deem bons frutos. Não reguemos o mal.
“(…) Quanto ao mais, irmãos, ocupai-vos com tudo o que é verdadeiro, digno de respeito ou justo, puro, amável ou honroso, com tudo o que é virtude ou louvável. Praticai o que de mim aprendestes e recebestes e ouvistes, ou em mim observastes. E o Deus da paz estará convosco”. (Filipenses 4, 8-9)
 Um imenso abraço fraterno.


2 comentários:

Anônimo disse...

Eu todos os dias faço a leitura do dia e complemento com os comentários dessa equipe para complementar meus ensinamento e por em prática muito obrigado, que o Senhor Deus continue derramando benção a todos na Paz de Cristo, Jair Ferreira.

Jeickson Filho disse...

Obrigado pelas reflexões e pelo sim de vcs! Glória a Deus, por usar vcs, por tudo!

Postar um comentário