.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

O administrador esperto-Dehonianos

XXXI Semana – Sexta-feira – Tempo Comum – Anos Pares
4 Novembro 2016
Tempo Comum – Anos Pares
XXXI Semana – Sexta-feira
Lectio
Primeira leitura: Filipenses 3, 17 – 4,1
Irmãos: 17Sede todos meus imitadores, irmãos, e olhai atentamente para aqueles que procedem conforme o modelo que tendes em nós. 18É que muitos – de quem várias vezes vos falei e agora até falo a chorar – são, no seu procedimento, inimigos da cruz de Cristo: 19o seu fim é a perdição, o seu Deus é o ventre, e gloriam-se da sua vergonha – esses que estão presos às coisas da terra. 20É que, para nós, a cidade a que pertencemos está nos céus, de onde certamente esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo. 21Ele transfigurará o nosso pobre corpo, conformando-o ao seu corpo glorioso, com aquela energia que o torna capaz de a si mesmo sujeitar todas as coisas. 1Portanto, meus caríssimos e saudosos irmãos, minha coroa e alegria, permanecei assim firmes no Senhor, caríssimos.
Paulo apresenta aos filipenses, que querem tornar-se discípulos do Crucificado, dois caminhos possíveis: a dos «inimigos da cruz de Cristo» (3, 18), isto é, aqueles cujo «Deus é o ventre, e põem a glória na sua vergonha» (v. 19) e estão absorvidos pelos seus interesses terrenos. Para estes «o seu fim é a perdição» (v. 19ª). Entrevemos um grupo de cristãos que, apesar da experiência feita, se esqueceram do baptismo recebido e enveredaram por uma experiência de vida contrária ao Evangelho.
O outro caminho é o daqueles que se mantiveram fiéis à «regra de vida» que aprenderam de Paulo. O Apóstolo não hesita em apresentar-se como «exemplo» (v. 17), não tanto por causa dos seus dons naturais, mas por causa do dom de graça que recebeu no caminho de Damasco e que revolucionou completamente a sua vida, dando-lhe um novo rumo: novo da novidade de Cristo morto e ressuscitado.
Os fiéis de Filipos são convidados a fazer uma opção livre e consciente não só em virtude do seu exemplo, mas, sobretudo, em virtude da esperança na cidade que «está nos céus» e da qual «esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo» (v. 20). É tal o bem que espero (a pátria celeste, a alegria indefectível e a comunhão amorosa) que toda a pena me dá gozo (a batalha dura que cada um é chamado a travar nesta terra). Estamos perante a dinâmica do «já» e do «ainda não».


Evangelho: Lucas 16, 1-8
Naquele tempo, 1Disse Jesus aos seus discípulos:«Havia um homem rico, que tinha um administrador; e este foi acusado perante ele de lhe dissipar os bens. 2Mandou-o chamar e disse-lhe: ‘Que é isto que ouço a teu respeito? Presta contas da tua administração, porque já não podes continuar a administrar.’ 3O administrador disse, então, para consigo: ‘Que farei, pois o meu senhor vai tirar-me a administração? Cavar não posso; de mendigar tenho vergonha. 4Já sei o que hei-de fazer, para que haja quem me receba em sua casa, quando for despedido da minha administração.’ 5E, chamando cada um dos devedores do seu senhor, perguntou ao primeiro: ‘Quanto deves ao meu senhor?’ Ele respondeu: 6‘Cem talhas de azeite.’ Retorquiu-lhe: ‘Toma o teu recibo, senta-te depressa e escreve cinquenta.’ 7Perguntou, depois, ao outro: ‘E tu quanto deves?’ Este respondeu: ‘Cem medidas de trigo.’ Retorquiu-lhe também: ‘Toma o teu recibo e escreve oitenta.’ ? senhor elogiou o administrador desonesto, por ter procedido com esperteza. É que os filhos deste mundo são mais sagazes que os filhos da luz, no trato com os seus semelhantes.»
Só tendo presente o contexto de todo o capítulo, que tem o seu centro no v. 14 («Os fariseus, como eram avarentos, ouviam as suas pala¬vras e troçavam dele»), podemos compreender o pensamento de Jesus nesta parábola. A primeira parábola (vv. 1-8) ensina o modo correcto de usar os bens; a segunda parábola (vv. 19-31) ensina como não devem ser usados. Em ambas, a lição recai sobre o amor ao dinheiro.
Na primeira parábola, o louvor do administrador infiel pode causar espanto ou mesmo escândalo; mais adiante Lucas compara Deus a um juiz injusto (Lc 18, 1-8); em Mt 10, 16, os discípulos são convidados a ser espertos como as serpentes. Mas não havemos de nos escandalizar: Jesus não nos dá por modelo um qualquer vigarista ou fulano astuto. Pelo contrário, lembra-nos que somos responsáveis pelos bens que não são exclusivamente nossos, mas que devemos considerar dons de Deus e, portanto, tratar com prudência e com audácia dignas de filhos de Deus.
Ao fim e ao cabo, Jesus quer que os filhos da luz, na sua caminhada terrena, sejam mais sagazes do que os filhos deste mundo (v. 8b). A sagacidade de que fala Jesus é directamente funcional ao desejo e à consecução do verdadeiro bem.
Meditatio
As parábolas que Jesus nos conta, hoje, pretendem fazer pensar e tomar decisões arrojadas. Se queremos ser discípulos do Senhor, não podemos esquivar-nos a responder, ou tentar fugir ao cumprimento dos nossos deveres. É preciso, em primeiro lugar, aceitar confrontar-se com os filhos deste mundo. Muitas vezes somos convidados a ter coragem, não só diante das propostas divinas, mas também diante daqueles que nada querem com Jesus Cristo e o seu Evangelho. É precisa a audácia de quem sabe ser depositário de uma mensagem superior a qualquer outra e de uma promessa que não será retirada.
O capítulo 16 de Lucas, na sua globalidade, sugere-nos outro convite, que torna concreta a nossa coragem evangélica: considerar como nossos primeiros e mais caros amigos os pobres. Se chegarmos a isso, seremos realmente «espertos», à maneira de Jesus. Foi por essa esperteza que o administrador desonesto foi louvado por Jesus.
A decisão por Jesus, e pelo amor para com o próximo, é urgente, porque a hora da morte está perto. É preciso esperá-la com serenidade, tal como Paulo. Aliás, não esperamos a morte, mas o Salvador, o Senhor Jesus. Esperamo-lo como Ressuscitado, como vencedor da morte, como aquele que transfigurará o nosso corpo à imagem do seu corpo glorioso. A nossa espera está cheia de confiança, desde que vivamos como cidadãos do céu: «a cidade a que pertencemos está nos céus» (Fl 3, 20).
Viver como cidadãos dos céus não quer dizer viver nas nuvens, mas viver na caridade, na esperança, na fé. Viver como cidadãos dos céus significa encontrar o Senhor em cada momento, em cada acto da nossa vida. Então, Ele assume-os e transforma-os. Vivendo assim, aguardamos serenamente a morte, sabendo que Jesus já foi transfigurado pela sua morte de cruz e que esse evento já venceu o último obstáculo, tornando-o ocasião de triunfo para Deus e de salvação para nós.
Escreve Paulo aos romanos: «Se Deus é por nós, quem será contra nós? Ele, que não poupou o próprio Filho, mas O entregou por todos nós, como não havia de nos dar também, com Ele, todas as coisas?… Quem poder&aa
cute; separar-nos do amor de Cristo?… Em tudo isto, somos nós mais que vencedores por Aquele que nos amou. Porque estou certo de que nem a morte, nem a vida…, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, Nosso Senhor» (Rm 8, 31.32.35.37-39).
«Acreditar neste amor – escrevia o Pe. Dehon – é toda a nossa fé». «Et nos credidimus caritati» («Nós acreditámos no amor»). Fazer as obras do amor é o cumprimento de todos os preceitos: «Qui diligit, legem implevit» («Quem ama cumpre a Lei») (NQ III, 60; 14.10.1886).
Oratio
Senhor, faz-me compreender que a minha pátria está no céu e que o dia da minha morte será o dia do encontro definitivo contigo. Dá-me a esperteza de tudo submeter a essa esperança segura, quando tenho que tomar decisões importantes para a minha vida ou para a vida daqueles que me estão ou virão a estar confiados. Que eu não hesite eu optar por Ti e pelos interesses do Reino. Livra-me da tentação de servir a dois senhores, do medo de descobrir a minha pequenez, do pavor de perder as minhas seguranças. Que eu seja honesto comigo e com os outros. Que o seja especialmente contigo. Amen.
Contemplatio
Vede Jesus em acção. Ele encontra a viúva de Naim. Ela chora, Ele chora também misericordia motus; restitui o seu filho à vida (Lc 7).
Um dia, Marta e Maria Madalena anunciam-lhe chorando a morte do seu irmão. Chora ainda, et lacrimatus est Jesus.
A Cananeia grita a Jesus: «Senhor, filho de David, tende piedade de mim». Ele prova-a primeiro com uma aparência de insensibilidade. Mas logo cede à inclinação do seu coração, e cura a filha da pobre mulher.
Todo o relato do Evangelho está cheio de curas milagrosas. «Jesus, diz S. Pedro, passou fazendo o bem e curando todos os que eram oprimidos pelo demónio» (Act 10).
«Jesus, diz S. Mateus, percorria a Galileia, ensinando nas sinagogas, pregando a boa nova do reino de Deus e curando todas as doenças e todas as enfermidades. O seu nome espalhava-se por toda a Síria. Apresentavam-lhe todos os doentes, os enfermos, os possessos, os paralíticos, e curava-os» (Mt 4).
«A multidão que se comprimia para ser curada, diz S. Marcos, era tal que por vezes o Salvador era impedido de tomar o seu alimento. Os seus discípulos já não podiam comer o seu pão. Iam ao ponto de se irritarem contra Ele e de querer pôr fim ao seu zelo que eles viam como uma paixão. Quoniam in furorem versus est» (Mc 3, 21). – Oh! A santa loucura de Jesus!
Padres de Jesus, vamos ter com os doentes, mesmo que devamos às vezes ser incomodados na hora das nossas refeições ou do nosso sono.
Que bondade! Que condescendência! Que delicada atenção do divino Mestre por todos os que sofrem! Não se vê que alguma vez tivesse recusado o pedido a alguém. Dizia-lhes: «Que quereis que vos faça?». – «Que me cureis!». – E curava-os imediatamente.
Eram cegos, surdos, coxos, paralíticos, possessos do demónio, leprosos. Começava por excitar a sua confiança, chamando-os com o nome mais terno: «Meu filho, minha filha, tende confiança, vós sereis curados». O seu zelo não se deixava deter pelos escrúpulos dos fariseus a respeito do repouso do sábado. Dizia-lhes: «Deixaríeis o vosso burro num poço ou a vossa ovelha num fosso no dia de sábado? Porque quereis então que Eu deixe os doentes na sua triste situação?». (Leão Dehon, OSP 2, p. 364s.).
Actio
Repete frequentemente e vive hoje a palavra:
«A nossa pátria está nos céus» (Fl 3, 20).
| Fernando Fonseca, scj |



Um comentário:

José Maria Nascimento disse...

Obrigado!!!

Postar um comentário