.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

domingo, 27 de novembro de 2016

--Uma casa sobre a rocha-José Salviano

1 de Dezembro de 2016

Evangelho - Mt 7,21.24-27

Nem todo aquele que vive dizendo: “Senhor, Senhor”, entrará no Reino dos Céus, mas aqueles e aquelas que põem em prática a vontade de Deus Pai que está nos céus e em toda parte, principalmente em nossa volata.

Neste Evangelho Jesus nos explica o que significa ser cristão de verdade. Não basta somente ouvir suas palavras com toda atenção, com todo respeito se não as colocarmos em prática. De nada adianta gritar pelo seu nome, bater na parede do templo, tocar  buzina, fazer gestos espantosos dizendo: sai Satanás! Pois o importante é fazer a vontade do Pai, colocando em prática os ensinamentos do seu Filho.
        
Existem pessoas que se julga santas, pelo fato de assistir missa todo dia, de rezar o terço, e de fazer longas orações. Isso tudo é muito bom, mas se não vier acompanhado de gestos de amor ao próximo, gestos de caridade, de tolerância, de paciência, de compreensão, etc. não valerá nada. É como uma casa construída sobre a areia. Quando bate o  vento e a chuva forte, tudo será destruído.   
        
Do que adianta rezar vários terços, assistir várias missas por semana, ou decorar a Bíblia, se eu discrimino os pretos, os pobres, e os baianos ou nordestinos me sentindo superior a eles? E, olha que às vezes as discriminações são feitas em nome de Deus. É! É duro dizer isso, mais o pior é que é a pura verdade!  Tem pessoas que se julgando santas ou perfeitas, se acham no direito de julgar aqueles que não pensam como elas, e que não são da "raça superior", que não são “puros” como elas.
        
Não adianta fazer uma cara de santo, e depois, ao sair do templo, fazer fofoca, falando mal das pessoas que não acompanham o nosso ritmo de vida.
        
Construir uma casa sobre a rocha firme é amar a Deus de todo o nosso entendimento, com todas as nossas forças, e ao próximo como a nós mesmo. E quem ama o próximo não discrimina, assim como Jesus não discriminou a ninguém. Quem ama o próximo não prejudica ninguém. Quem ama o próximo mata a fome daquele que não tem o que comer. 
        
Caríssimos irmãos. A nossa espiritualidade, a nossa religiosidade tem de estar apontada, voltada para o irmão e para Deus. Ela deve estar direcionada para o Alto, e para os lados, para os irmãos. Parecida com a Cruz. Na qual a cabeça aponta para Deus, e os braços aponta para os irmãos.  Se nos ligarmos somente em Deus  esquecendo do irmão, a nossa fé, ou religiosidade é MUTILADA, é incompleta, é como se faltasse um braço, ou os dois.
        
Então vamos prestar mais atenção nos ensinamentos de Cristo neste evangelho de hoje, que nos orienta  para a verdadeira e completa religiosidade. Assim, nossa fé será parecida com aquela casa construída sobre a rocha. Pode bater o vento das tentações, da descrença, dos sofrimentos, que nós continuaremos firmes unidos a Deus através de Cristo e aos irmãos, rumo à morada definitiva. Porque ninguém se salva sozinho. Lembre-se disso! A nossa salvação está diretamente direcionada aos nossos irmãos. Ou seja, a nossa salvação depende principalmente do nosso relacionamento com o irmão, coma a irmã.

Tenha um bom dia, José Salviano.



4 comentários:

José Efigênio Pinto disse...

José Salviano; Cadê o Claudinei.

Anônimo disse...

MUITO BOA A SUA HOMILIA PRECISAMOS DE PESSOAS COM ESSE ENTUSIASMO
EM NOSSAS CELEBRACOES

Anônimo disse...

Essa homilia nos coloca realmente dentro desse Evangelho ! É muito rico os ensinamentos de Jesus. Somos muito relapsos com relação ao nosso dia a dia. Precisamos prestar mais atenção e praticar mais aquilo que é da vontade de Deus e não a nossa !

Salviano disse...

O CLAUDINEI SUMIU NOVAMENTE. ELE SEMPRE FEZ ISSO. VAI, E DEPOIS VOLTA.
VOU PEGAR UM AVIÃO E PARTICIPAREI COM VOCÊS AÍ QUALQUER DIA DESSES.

Postar um comentário