.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

IGNORAR O POBRE É IGNORAR O PRÓPRIO JESUS! - Olívia Coutinho

 

26º DOMINGO DO TEMPO COMUM

 
Dia 25 de Setembro  de 2016
 
Evangelho – Lc 16,19-31
 
A palavra de Deus, está sempre chamando a nossa atenção para o cuidado que devemos ter,  para com o que é de Deus! Como seguidores de Jesus, não podemos fechar os olhos a esta triste realidade que aí está: irmãos nossos, vivendo às margens da sociedade, sobrevivendo  das migalhas que caem da mesa daqueles que tomam para si, o que deveria ser de todos! 
Somos chamados a contemplar o rosto desfigurado de Jesus, estampado no semblante destes irmãos, ceifados até mesmo do direito à vida! Ignorá-los, é ignorar o próprio Jesus, que quer contar conosco na construção de um mundo melhor, de um mundo mais justo, mais fraterno  onde todos tenham o direito a uma  vida digna.
Como filhos e filhas  do mesmo Pai, somos corresponsáveis pela vida do nosso irmão, não podemos transferir para outros,  a responsabilidade que é nossa, devemos ser  amparo para os que sofrem! Precisamos  aprender a olhar o irmão com o olhar de Jesus,  um olhar que  não apenas constata  a sua  necessidade, mas que nos  leve a ajudá-lo.
O Evangelho de hoje, narra a parábola do rico e do Lázaro! Através de uma história, Jesus chama a nossa atenção, sobre a importância de cuidarmos dos pobres, são eles, os amigos de Deus, os  que abrirão a porta do céu para nós!
Podemos perceber nesta parábola, que Jesus não cita o nome do rico, somente o nome  do pobre, que se chamava Lázaro, com isso Ele reafirma  a sua  predileção para com os pobres, os pobres, Jesus os conhece pelo nome! 
 O rico desta parábola, não maltratava Lázaro, ele simplesmente o ignorava, perdendo assim, a oportunidade de alcançar, através da caridade, a vida eterna. A sua  condenação,  não foi pelo fato dele  ser rico de bens materiais  e sim, pelo bem que ele deixou de fazer!
Podemos comparar o rico desta história, com a elite da sociedade de hoje  e  também, com muitos de nós,  que se diz cristão, mas  que ignora o que é de mais precioso para Deus: os pequeninos, os pobres, fazendo de conta que está tudo bem, que a desigualdade não existe!
O Lázaro representa o povo ignorado, sofrido e oprimido! Com existem  Lázaros espalhados mundo afora! Pessoas  passando fome, sedentos de amor, morrendo nas portas dos hospitais sem atendimento médico, e o pior, diante os olhares insensíveis daqueles que tem o dever de possibilitá-los uma vida digna.  
Outra coisa que deve  chamar a nossa atenção nesta história: Lázaro, mesmo sendo pobre, sobrevivendo das migalhas que caía da mesa do rico, não reclamava da vida, o que nos mostra, que ele tinha total confiança  na promessa de Deus, promessa, que se concretizou com o seu acolhimento no céu!
A parábola nos diz claramente, que é impossível transpor o abismo que separa o inferno do paraíso! A ponte que nos liga ao céu, deve ser construída aqui na terra, no aqui e no agora, através de  gestos concretos de amor ao próximo, depois que partirmos deste mundo, será tarde demais!
Não esperemos,  que o pobre venha até a nós, para que possamos ajudá-lo, a exemplo de Jesus,  devemos ir até ele, certificar de suas necessidades, conhecer a sua história, demonstrar interesse por ele, a sua  fome, nem  sempre é só  de pão, muitas  vezes,  é fome  de amor!
O conceito de pobre e rico para Jesus é diferente do nosso, para nós, pobre, é todo aquele que não possui bens, e rico, é todo aquele que possui muitos bens! Enquanto que para Jesus, podre, é todo aquele que se esvazia de si mesmo para se tornar dependente da graça de  Deus, independente dele possuir ou não, bens materiais!
 Já o rico, para Jesus, é todo aquele que acumula bens, que se fecha em si mesmo, que não partilham, os que não sentem necessitado de Deus! Por tanto, aos olhos de Jesus, existem pobres de bens materiais que são ricos em ganância em soberba, e ricos, que  são pobres, porque se esvaziam de si mesmos  para se tornarem dependentes de Deus.
 É bom tomarmos consciência de que no nosso julgamento final, seremos muito mais cobrados, pelo bem que deixamos de fazer, do que pelos nossos erros.
No pobre está estampado o semblante de Jesus, ignorá-lo, é ignorar o próprio Jesus!
 
FIQUE NA PAZ DE JESUS! – Olívia Coutinho
Venha fazer parte do meu grupo de reflexão no Facebook:

Um comentário:

Severino Fernandes disse...

Vamos construir nossa casa no ceu pra quando chega lâ termos onde morar com Abrão no seio do Pai. Linda catequese.

Postar um comentário