.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

-JOÃO, TESTEMUNHO DA LUZ - José Salviano

3º DOMINGO ADVENTO

14 de Dezembro de 2014
ANO   B

Evangelho - Jo 1,6-8.19-28



          A liturgia deste domingo nos trás motivos de alegria por causa da esperança, das promessas de Cristo, da prática da  justiça, do perdão dos nossos pecados, e do tempo de espera pelo aniversário da chegada  do Messias.
PRIMEIRA LEITURA

          Naqueles tempos vigorava a lei da sobrevivência, e quem podia mais chorava menos.  Era o domínio dos mais fortes sobre os mais fracos baseado na força bruta, em busca de alimentos, semelhante aos animais que disputam um pedaço da presa. 
          Hoje em dia a coisa não é diferente, no que se refere à luta pela sobrevivência, cada grupo, político, criminoso, trabalhadores, todos defendem o seu lado, e como antigamente, reina o domínio do forte sobre o mais fraco. O voto dá poder a alguns de pegar o dinheiro do povo para si, e ninguém tem força para fazer nada...  Por outro lado, os criminosos tomam o dinheiro dos fracos que trabalham o dia  inteiro e não tem para quem reclamar. Somos presas indefesas diante dos predadores.

          O contexto em que levou o profeta Isaías a escrever esta mensagem, era o seguinte: Jerusalém, uma pequena cidade em reconstrução, vivia situações difíceis, principalmente para os que acabaram de retornar do exílio. Além de ter de trabalhar pela reconstrução do que havia sido destruído pelos inimigos,  o medo era uma realidade apavorante, pois esses mesmos inimigos estavam à espreita querendo mais. Isso sem falar que tinham  de suportar o egoísmo e domínio dos poderosos locais.

          Assim diante desse povo desanimado e sem nenhuma esperança, Isaías, o ungido de Deus, o escolhido para uma missão, manda uma injeção de ânimo para elevar o moral daquela gente sofrida.

SALMO

          Meus irmãos. Nesta vida terrena as alegrias são sempre passageiras ou falsas. E na realidade, o sofrimento nunca tem fim.  Sofre o pobre pelas suas carências, sofre o rico com a consciência apertada pelo que tirou dos irmãos, e pelo medo da investida do criminoso que quer lhe tomar ou tirar a "caça".    Porém, ao temente a Deus, ao justo que respeita os direitos do irmão, esse se alegra e se satisfaz na proximidade com Deus. Pois sua alma se alegra no Senhor!


 SEGUNDA LEITURA

          Paulo,inspirado pelo Espírito de Deus, nos ensina como deve ser a  verdadeira prática da fé exercitando sempre um comportamento de cristão autêntico: Podemos estar sempre alegres mesmo nas adversidades, rezar constantemente, pois a verdadeira alegria está ligada a oração, agradecer a Deus por tudo, até mesmo pelo sofrimento pois ele nos purifica.  Esse estado de espírito de alegria, não se trata de uma falsa alegria, como aquele que se embriaga para  fugir dos problemas, muito menos de fingir estar alegre, para demonstrar que não está em apuros.  Também  não significa  a leviandade de quem tampa o sol com uma peneira, ou seja, não admitir  as dificuldades, ignorando tudo que está errado. Isso é o cúmulo do absurdo! Só acontece nas cabeças daqueles que vivem de aparências. Mas sim, encarar a realidade com o filho de um Pai que pode tudo. É encarar os problemas inevitáveis com a confiança de quem espera  tudo naquele que nos dá força. É nunca desanimar diante das dificuldades, as quais como tudo nesta vida, são passageiras. Por outro lado, não devemos nem podemos ficar parados, esperando tudo cair do céu, mas correr atrás do prejuízo: Confiando Em Deus, rezando, e buscando as soluções. Ou melhor, sintonizados em Deus para captar a sua voz que nos indica os caminhos onde estão as soluções para os nossos problemas existenciais. Ele sabe tudo, Ele pode tudo. Mas Ele não costuma nos dar o peixe, mas sim a vara para pescar. É só confiar, e buscar. Pois aquele que busca acha. Pois Deus não nos desampara, não nos abandona.

EVANGELHO

          João veio como testemunha. Ele veio dar testemunho da Luz. E quando foi interrogado, João fez questão de dizer que ele não era a LUZ, mas a sua missão era preparar o caminho daquele que brilhava e brilha por todos os séculos.

          Irmãos. Não nos envaideçamos quando alguém nos considera santo, nos considera um iluminado, uma iluminada, ou coisa desse tipo. Por que, a nossa luz não é nossa , não vem de nós, mas sim daquele que nos ilumina.  A Luz divina bate em nós, e como um espelho que reflete a luz do sol, nós refletimos a luz de Deus ao mundo, como o fez João Batista.
          João Batista disse: Eu sou a voz que clama no deserto. Não fiquemos desanimados se às vezes parecer que estamos clamando no deserto. Se às vezes parecer que não tem ninguém nos escutando. Porque na realidade, tudo aquilo que pregamos, às vezes com grande esforço, seja por questão de saúde, ou de dificuldades sociais e geográficas, sempre fica gravado no sub-consciente das pessoas que nos ouvem, e um dia, pela graça de Deus pode dar frutos. Os pais que não param de catequizar em casa, e que  dão exemplo de prática da fé diante dos filhos, os quais estão desligados, e parecem não prestar atenção, não estão perdendo o seu tempo. Pois um dia, já talvez depois da idade adulta,  aqueles filhos irão se lembrar do testemunho  e dos ensinamentos do seu pai.  E diante de alguma desventura, eles se voltarão para Deus, pois o esforço do seu pai não foi em vão.  Embora não pareça, aquelas palavras ficaram gravados no porão das mentes daqueles adolescentes, em estado de incubação.   
Por isso, pais, não desanimem! Continuem semeando a palavra de Deus por exemplo, testemunho e pela explicação. E deixa que o autor da vida,  aquele que cuida da germinação da semente lançada na terra, faça a sua parte.  Deus não precisa de nós. Porém, Ele nos deu a honra de participar do seu projeto de salvação:  Assim, nós fazemos a nossa parte, evangelizando. Enquanto Ele fará a sua parte, providenciando os detalhes que conduzem a conversão.

          João Batista anunciava e denunciava.  Ele anunciava a vinda do Filho de Deus. Ao mesmo tempo que denunciava o abuso de poder, a arrogância e o egoísmo da elite judaica.
          Nos tempos atuais, o cristão que a exemplo de João Batista também denuncia as injustiças dos poderosos, e as coisas erradas dentro da comunidade cristã, sofre as consequências. Os poderosos não descansam enquanto não  conseguirem calar a sua boca. E dentro da própria comunidade não é diferente. Esse cristão, ou cristã, pode sofrer forte rejeição, pois será rotulado de ENCRENQUEIRO. Então aí vem a discriminação o congelamento VELADO, e o desprezo pela sua  pessoa, por causa da sua prática de fé na qual ele imita o Batista, e Jesus Cristo que denunciou sem medo os defeitos dos fariseus e mestres da Lei.

          Irmãos. Na nossa caminhada terrestre, ao lado da alegria está sempre presente a tristeza. Mesmo para quem vive por Cristo e para Cristo, os momentos de alegria podem ser alternados por tristeza. A alegria é ter Jesus, e a tristeza é perdê-lo através do pecado.
          Pelo fato de denunciar, pelo fato de dizer a verdade, pois aquele que diz a verdade não é bem aceito pela sociedade que vive de aparências.  Aquele que imita Cristo e denuncia, é chamado de encrenqueiro. Na própria família, quem defende o certo e combate o mal pode ser considerado de "chato", de dono da verdade... Enfim, quem denuncia, quem mostra os erros, é evitado pelos injustos. 

          E o próprio Jesus já nos advertiu sobre esta realidade. Aquele mesmo Jesus que disse: "Eu vos dou a minha paz, eu vos deixo a minha paz"   e ... a paz esteja convosco, foi o mesmo Jesus quem disse outra vez: "Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra?” “Vim trazer a divisão: pai contra filho, mãe contra filha, sogra contra nora...” A afirmação é chocante, mas é real, e a vemos todos os dias ao nosso redor. Queremos a união dentro de casa, mas não podemos abrir mão do testemunho, e é este que causa a divisão. A nossa firmeza na fé gera, muitas vezes, perseguição. A prática do Evangelho não nos conduz a um paraíso terrestre. (Padre Queiroz).

          Alguém então nos pergunta: Como posso estar alegre se estou sofrendo? A resposta, é: Mas é aí que está a fé daquele que deposita sua confiança no senhor. O cristão se alegra na alegria proveniente do Pai, aquele que pode tudo.

          Que Deus nos lembre sempre que as alegrias desse mundo são passageiras, e que somente as alegrias de Deus que provém da felicidade sem fim, da felicidade eterna. Se estivermos voltados para essa realidade, conseguimos ter um sorriso verdadeiro!
          Bom domingo,   José Salviano.

3 comentários:

bruno moleiro disse...

http://marcoroto.tumblr.com/

José Efigênio Pinto disse...

José Salviano, o trabalho de vocês são ótimos, Leio todas reflexões, eu adoraria a volta de: Claudinei oliveira, Gilberto Silva, Vera Lucia. etc. Um abraço a todos vocês, Deus os abençoe por este belo trabalho.

José Efigênio Pinto disse...

José Salviano, o trabalho de vocês são ótimos, Leio todas reflexões, eu adoraria a volta de: Claudinei oliveira, Gilberto Silva, Vera Lucia. etc. Um abraço a todos vocês, Deus os abençoe por este belo trabalho.

Postar um comentário