.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Revivendo a Paixão e morte de N. S. Jesus Cristo-Helena Serpa

09/04/2017 - Domingo de Ramos – Evangelho Mateus 21, 1- 11  -  “o jumentinho sem pretensões”

(Antes da Procissão dos Ramos)
A caminho de Jerusalém e decidido a cumprir fielmente tudo o que a Sagrada Escritura, por meio dos profetas, já havia anunciado, Jesus ia preparando o cenário da Sua História de forma tal que hoje, nós pudéssemos aprender com Ele a fazer tudo de acordo com a vontade de Deus. Ora, na realidade Jesus era o Rei do Universo, o Enviado do Pai, Aquele sobre o qual os profetas já haviam profetizado, porém, ao mesmo tempo Ele confundia a todos quando pedia aos dois discípulos que fossem em busca de “uma jumenta amarrada, e com ela um jumentinho. Desamarrai-a e trazei-os a mim! “Jesus tinha um propósito em tudo o que fazia e, com certeza, Ele quis mostrar aos homens que Deus tem o poder de  manifestar-se na simplicidade e na pureza da Sua criação. Apesar de humilde aquele animal era um sinal de que a grandeza de Deus se revela por meio de nós quando nós nos propomos a ser simples instrumentos Seus no meio dos homens. E foi montado num jegue que Jesus teve a Sua entrada triunfal em Jerusalém e foi aclamado como Rei, demonstrando que a obra de Deus se expressa no coração do homem, mesmo que seja ele, infiel e traidor. O mesmo povo que aclamou Jesus no Domingo de Ramos O condenou dias depois e gritou para que Ele fosse crucificado. Nós podemos ser o jumentinho casto que, com humildade, conduz Jesus para ser aclamado Senhor ou podemos ser o povo que exalta a Jesus hoje, mas, no outro dia O condena, porque pecamos. Precisamos, no entanto, ter o máximo cuidado quando nos propomos a ser o jumentinho que carrega Jesus para que, não O derrubemos querendo aparecer mais do que Ele. O grito de Hosana deve ser levantado aclamando a Jesus e não a nós, simples jumentinhos do Senhor. Que sejamos o jumentinho sem pretensões a fim de que possamos levar a multidão a exaltar a Jesus dizendo também: "Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor!” – Você se considera humilde como um jumentinho que conduz Jesus no meio dos homens? – Como você se comporta quando leva Jesus para ser conhecido? – Você gosta de aparecer? – Você tem consciência de que faz parte desse povo que aclama Jesus como Rei, mas O condena quando peca?    

(após a Procissão dos Ramos, durante a Liturgia da Palavra) 

1ª. leitura  Isaías 50, 4-7 –  “ Servo é quem se compromete livremente”
Cada homem e cada mulher que se propõem a seguir Jesus devem ter entendimento e trazer para si estas palavras: “O Senhor deu-me uma língua adestrada, para que eu saiba dizer palavras de conforto à pessoa abatida “;   “Ele me excita o  ouvido para prestar atenção como um discípulo”. O servo a que se refere esta passagem é Jesus, no entanto, Ele é o nosso Referencial.  Jesus é o Mestre e nós somos os seus discípulos, devemos fazer como Ele: ter os ouvidos bem abertos e não resistir ao seu chamado, apesar de todas as dificuldades, porque o Senhor Deus é o auxiliador e não nos deixa desanimar.  Servo é quem se compromete livremente com alguma pessoa no serviço desinteressado e abnegado, deixando-se reger por um condutor. O profeta descreve para nós como são as atitudes do servo que é fiel ao projeto de Deus: ele está sempre atento às orientações e ensinamentos do Senhor como um discípulo atencioso. Deus mesmo é quem o conduz e até enfrentando a fúria e a rebeldia dos inimigos, ele permanece firme e não desanima.  Jesus abriu o caminho para nós, por isso, todos nós que nos dizemos servos e servas precisamos nos pôr a disposição do Espírito Santo que é quem nos inspira e conduz por meio de uma ou de outra pessoa. Somos servos (as) de Deus quando prestamos serviço ao nosso próximo, por amor, não desviando o rosto, nem procurando nos esquivar dos encargos e compromissos confiando em que o Senhor Deus é o nosso auxiliador e não sairemos humilhados (as).   – De quem você tem sido servo (a)? – Você tem se deixado guiar por alguém? – Você tem enfrentado dificuldades no seu serviço ao próximo? – Quem o (a) tem auxiliado? – Com quem você tem contado nas horas difíceis?  - Você tem tido medo de enfrentar os desafios da sua vida? – Você tem ajudado a alguém, encorajando-o a enfrentar as suas dificuldades? – Você tem usado a sua língua para dizer palavras de conforto a alguém?

Salmo 21 – “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?”
Na liturgia de hoje nós acompanhamos os passos de Jesus na caminhada para o calvário. O salmista antecipa tudo o que Jesus iria passar durante o Seu martírio até o momento em que Ele sentiu-se abandonado pelo próprio Deus. Isso nos leva a pensar nos momentos em que nós também nos sentimos sem ninguém, vivendo a nossa dor, solitários no meio da multidão ao nosso redor. São momentos em que precisamos enfrentar o deserto tão necessário para o nosso crescimento. Mesmo assim, como Jesus, nós ainda temos força para dizer: “anunciarei o vosso nome a meus irmãos e no meio da assembleia hei de louvar-vos!” O Pai que sofre conosco mesmo sem percebermos, alegrar-se-á conosco com o nosso louvor.                                               

2ª. leitura – Filipenses 2, 6-11 – “por obediência ao Pai”
Jesus não fugiu do sofrimento, mas enfrentou a morte por obediência ao Pai, por isso não se prevaleceu da Sua divindade e se fez escravo como nós. “Ele esvaziou-se ehumilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz.” Comparando a nossa vida com a vida de Jesus chegamos à conclusão de que Ele fez justamente o contrário do que nós sempre fazemos. Quantas vezes nós nos prevalecemos da nossa posição social ou então apresentamos outra qualquer justificativa para sermos privilegiados e não precisarmos passar por alguma situação de humilhação!  O nosso primeiro argumento é continuamente querer mostrar quem nós somos, o nosso status, poder, situação financeira, contanto que nos livremos da obediência ao tributo que nos é imposto. Com Jesus, no entanto, aconteceu exatamente o oposto: “Mesmo sendo de condição divina, Ele não se prevaleceu de sua igualdade com Deus,  mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens”.  Por isso, Deus o exaltou acima de tudo, dando-lhe o Nome diante do qual todos nós devemos nos ajoelhar. Tomando consciência da nossa condição humana imperfeita precisamos seguir o exemplo de Jesus e, diante de Deus, nos humilhar reconhecendo a nossa limitação e nos abandonar à Sua Vontade. Assim sendo, com certeza, também seremos exaltados e acolhidos no reino dos céus. Tudo para a glória de Deus Pai! – Você costuma se exaltar quando tem que enfrentar alguma situação constrangedora? – Você acha que a recompensa de ser exaltado mais adiante, compensa a vergonha de hoje ser humilhado? – Como você age quando passa por alguma situação vexatória no trânsito, nas repartições, nas filas de bancos, etc.?


Evangelho      (Mateus  27,11-54) -   “Revivendo a Paixão e morte de N. S. Jesus Cristo”
Neste Domingo de Ramos e como preparação para a Semana Santa, nós temos a oportunidade de rememorar a história da Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo.   Reviver esses momentos, portanto, é contemplar a história da nossa salvação. Façamos, portanto, uma leitura atenciosa do longo trecho do Evangelho de hoje e revivamos com Jesus os momentos da Sua Paixão e Morte. Os acontecimentos que antecederam a Paixão de Jesus, a Sua entrega no Getsêmani, quando sofreu a grande agonia e se rendeu à vontade do Pai.   Contemplando a dor de Jesus e de Sua Mãe Maria nós podemos nos colocar diante da Sua Cruz e oferecer a Ele as nossas dificuldades, nossas dores, nossas inquietações. O  sofrimento que é colocado na Cruz de Jesus torna-se redentor e nos leva a experimentar a libertação e o consolo. Apesar da nossa falta de entendimento, podemos experimentar, simplesmente, a alegria de sofrer por amor a Ele. A Ele podemos dizer apenas: “Senhor, eu não entendo nada, mas mesmo assim confio em Vós!”

Um comentário:

joao lessa disse...

NOSSO DEUS E NOSSO PAI PERDAO POR MEUS PECADOS E PELOS PECADOS DO MUNDO,OBRIGADO POR TUDO QUE SOU POR TUDO QUE TENHO,IRMAOS E IRMAS QUE A PAZ ESTEJA COM TODOS ,QUE NOSSOS GOVERNANTES QUE FORAM FALHOS RECEBAM EM SEU CORAÇOES E ARREPENDAM,SE DEUS E BOM DEUS HA DE PERDOAR

Postar um comentário