.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Somos os amigos do noivo-Helena Serpa

10 de Janeiro de 2015- Sábado - Evangelho - Jo 3,22-30



I João 5, 14-21 – “pedir com confiança”
A confiança absoluta é a primeira condição para nos legitimar como
seguidores de Jesus e adotados por Ele. Nesta carta São João nos exorta
a que sejamos coerentes com a nossa identidade de cristãos comprometidos
com o Projeto de salvação do Pai, rejeitando o pecado e confiando em
Jesus que veio nos libertar do poder do maligno. “esta é a confiança que
temos no Filho de Deus: se lhe pedimos alguma coisa de acordo com a sua
vontade, ele nos ouve.” E se, de fato, nós sabemos que Ele nos ouve,
temos então a certeza de que já possuímos o que pedirmos com confiança.
Portanto, podemos fazer os nossos pedidos com a mais absoluta certeza de
que Deus nos dará muito mais do que realmente nós queremos alcançar. A
nossa condição de cristãos (ãs) também implica em compromisso com os
nossos irmãos intercedendo por eles, exortando-os, abrindo-lhes os olhos
para que não sucumbam diante das tentações do mundo. Necessitamos nos
ajustar fielmente à nossa procedência de criaturas feitas à imagem e
semelhança de Deus para não nos acomodarmos à mentalidade do mundo que
está sob o poder do maligno. Todos somos pecadores, mas não
necessariamente precisamos pecar e, porque fomos gerados em Deus somos
também guardados e o maligno não poderá nos atingir. Por isso precisamos
estar vigilantes em oração pedindo ao Senhor para que não caiamos em
tentação. Assim também, somos chamados (as) a rezar pelos pecadores
confiando na misericórdia do Senhor. Jesus Cristo, o Filho de Deus nos
mandou o Espírito Santo para iluminar a nossa inteligência a fim de não
nos confundirmos com a falsidade que reina no mundo a ponto de adorarmos
ídolos materiais, pessoas envolventes que estão a serviço do mal. - Você
tem confiança de pedir a Deus tudo o que você almeja? – Você reza também
para não cair na tentação do pecado e da morte? - Qual é a morte que o
pecado causa? – Você reza pelos pecadores? - A quem ou a que você tem
idolatrado?

Salmo 149 – “O Senhor ama seu povo de verdade”
Orando com este salmo nós podemos avaliar como fica o estado da nossa
alma quando é libertada da escravidão do pecado por obra do Senhor. A
misericórdia de Deus nos banha e cura o nosso interior de todas as
nossas angústias; faz-nos levantar do leito afastando para longe o
desânimo e a desesperança que antes nos assolava. Desse modo nós podemos
provar a glória do Senhor aqui mesmo num estado de espírito que exprime
liberdade e alegria. Estes momentos fazem de nós como os santos e os
anjos do céu que louvam o Senhor dia e noite com cânticos e danças.
Evangelho – João 3, 22-30 – “somos os amigos do noivo”

Neste Evangelho João Batista nos ensina a assumir o nosso papel de
seguidores de Cristo e anunciadores do Seu Evangelho sendo coerentes com
a nossa condição de criaturas que foram purificadas pelas águas do
Batismo e redimidas pelo Sangue de Cristo. Ele reconhecia qual era a sua
posição em relação a Jesus Cristo e não confundia os seus discípulos
atraindo elogios para a sua pessoa. Pelo contrário, sentia-se feliz em
anunciar a pessoa de Jesus que ele dizia ser o noivo que vem para
receber a noiva. O noivo é Jesus e a noiva é a Sua Igreja, é a nossa
alma que, muitas vezes, ainda espera por aquele que a fará feliz. São
João se considerava amigo do noivo, isto é, amigo de Jesus, pois, sua
alma já havia sido desposada por Ele. Da mesma forma nós que já
acolhemos Jesus como esposo da nossa alma nos tornamos também seus
amigos (as) e, aqui na terra, damos testemunho da Sua glória para atrair
para Ele todas as pessoas que ainda não encontraram sentido para o seu
viver. Assim sendo, podemos também nos considerar apenas “os amigos do
noivo”, que ouvem a voz do noivo e se enchem de alegria. Somos felizes,
sim, em anunciar a salvação de Jesus dando a Ele a glória devida sem
querer receber bônus pelo nosso trabalho. João Batista reconhecia o seu
chamado para abrir os caminhos do Senhor. Muitas vezes nós nos arvoramos
de “autoridade” e queremos aparecer mais do que a Autoridade Maior que é
Jesus. Jesus é o noivo que vem do céu para nos desposar e nós nos
relacionamos com Ele na Palavra, na Eucaristia, na oração, na
contemplação, na Adoração ao Seu Corpo Sagrado. É necessário que Jesus
cresça e que nós nos conservemos pequeninos (as) e necessitados (as) do
Seu amor de esposo, pois somente assim seremos saciados (as) e felizes.
– Você já se sente desposado (a) por Jesus? – Você tem pregado em nome
de Jesus? - Você tem tentado aparecer mais do que Ele? – Você gosta de
atrair para si os elogios por causa de algum trabalho que você
desempenha? – Você se sente enciumado (a) quando alguém aparece mais do
que você?


Helena Serpa

2 comentários:

José Maria Nascimento disse...

Obrigado!!!

Anônimo disse...

obrigada pelo esclarecimento!Estava com dificuldade para entender esta liturgia!

Postar um comentário