.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

domingo, 11 de janeiro de 2015

O QUE ESTAIS PROCURANDO?--Diác.José da Cruz


II Domingo do TC 18/01/2015
1ª Leitura 1 Samuel 3, 3b-10.19
Salmo 39/40,8 a .9 a “Então, eu disse:  “Fazer vossa vontade meu Deus. É o que me agrada”
Evangelho João 1, 35-42
   O QUE ESTAIS PROCURANDO?
A vida é marcada por muitos encontros, conseqüência de uma procura, um dos mais belos é quando alguém encontra o grande amor de sua vida! Há um momento solene e inesquecível na celebração de um casamento na igreja, é quando após a entrada da noiva, o noivo vai acolhê-la ainda no corredor, há muitos que vêem aquele momento como a uma despedida do pai que entrega filha para o futuro genro. No fundo é isso mesmo, porque aquele encontro é diferente de todos os demais que já tiveram, pois mesmo o primeiro encontro que é tão emocionante para muitos, não tem o significado deste, realizado aos pés do altar. Por quê?
Porque se trata de um encontro definitivo, para sempre, por toda a vida, vão formar uma nova família, vão ser uma só carne, vão morar sob um mesmo teto. Não haverá mais, ou pelo menos, não é para haver, nenhuma separação, até que a morte os separe – afirma categoricamente o rito do casamento. O encontro que fazemos com Deus em nossa vida, através da experiência com Jesus, tem e precisa ser algo definitivo, como uma aliança de casamento, precisamos consentir que Jesus entre em nossa vida e ali permaneça, mas para isso é preciso que entremos na vida nova que ele nos oferece e ali permaneçamos.  Talvez por isso o verbo permanecer é tão repetido no evangelho de João.
O amor autentico e verdadeiro não se contenta com encontros casuais, que não geram compromisso de vida, os encontros do namoro e do noivado, embora importantes, nunca são definitivos, quem já não viu noivos que desistiram do casamento uma semana antes da cerimônia? Não há vínculo em tais encontros, embora sejam eles muito importantes porque exercitam o coração para a busca do verdadeiro amor que só será possível na comunhão de vida.
As vezes muitos cristãos vivem esse relacionamento com Jesus, se dizem apaixonados por ele, encantados com a sua pessoa, com suas palavras, com seu corpo e sangue, mas a vida de fé se resume em encontros ocasionais com o Senhor, sem muito compromisso de vida, em uma assembléia é difícil encontrar alguém que não se sinta fortemente atraído por Jesus Cristo, mas ao deixarem a igreja templo e voltarem para suas casas, seu trabalho, seu estudo, será que permanecem fiéis a este amor, ou vivem procurando encontros fortuitos com outros amantes?
A este respeito recordo-me dos encontros jovens do meu tempo, que eram denominados “Encontro com Cristo”, sempre muito comovedor onde a moçada se derretia em lágrimas nas reflexões, que eram muito profundas, mas depois... Ficava só nisso, amava-se o Cristo, mas não se amava a sua igreja, a família, os amigos, a esposa, os filhos, um amor que não gera compromisso de vida não pode se dizer que é verdadeiro.
João Batista encontrou este amor que requer desprendimento, que nunca nos leva a nós, mas aos outros, por isso aponta a dois de seus discípulos aquele que é o “cordeiro de Deus”, isso é, o amor capaz de imolar-se pelo bem do homem. Os discípulos passam a seguir Jesus, pois o que procuravam não encontraram em João, mas agora a procura terminou. Querem saber onde Jesus mora, porque desejam com ele uma relação mais íntima e forte, o que sentem não é um entusiasmo passageiro, mas algo que é para sempre. Por isso vão e passam a morar com o Senhor. Nessa casa do Senhor, que é o nosso coração, Jesus não pode ser um simples inquilino ou visitante, ele terá que ser o dono da nossa vida, porque sem ele o nosso coração não passa de uma casa vazia e abandonada.
Quando se está comprometido com o Senhor, tudo o que é nosso torna-se dele, e tudo o que é dele, torna-se nosso.suas palavras, seus ensinamentos, seu evangelho passa a ser as diretrizes de nossa vida. Daí o nosso testemunho coerente, que manifesta a alegria de quem encontrou o verdadeiro amor, é contagiante como o de André, que conduz Simão até Jesus.
E Simão se torna Pedra, rocha firme capaz de abrigar e acolher o novo povo que está surgindo, povo da nova aliança, prefiguração da nova humanidade que terminou sua procura ao encontrar-se com Jesus. Assim como esses primeiros discípulos, a Igreja nada mais busca ou procura, mas apenas anuncia o Cristo, Messias, salvador e libertador do homem, único capaz de tirar o seu pecado e revesti-lo da sua graça operante e santificante. ( Evangelho João  1, 35-42  II Domingo do TC)

José da Cruz é Diácono da
Paróquia Nossa Sra. Consolata - Votorantim

E-mail  cruzsm@uol.com.br 

5 comentários:

Unknown disse...

Diácono José da Cruz, Achei linda esta reflexão, Deus me proporcionou uma graça que adoro, fiz 04 anos de iniciação a Teologia pela minha paróquia, e a 08 atuo como ministro da palavra e do matrimonio. Para mim considero uma graça. Um abraço, e que Deus te abençoe.

Anônimo disse...

GOSTO MUITO DOS SEUS COMENTÁRIOS, MEU CARO DIÁCONO. SUAS PALAVRAS ME AJUDAM MUITO A FORMULAR MUITAS DE MINHAS REFLEXÕES.

Anônimo disse...

Olá Diácono é a primeira vez que acesso seu blog, gostei muito da sua reflexão me ajudou a preparar a celebração que farei amanhã abraços.

Unknown disse...

gostei muito da sua reflexão que você possa sempre ter essa espiração, que Deus te abençoe e te guarde.

Salviano disse...

É ISSO QUE EU CHAMO DE REFLEXÃO POSSANTE! VC TRANSPORTOU DE FORMA FELIZ, A CENA DE UM CASAMENTO, PARA O NOSSO CASAMENTO COM DEUS. UM CASAMENTO DEFINITIVO E PLENO.
PARABÉNS, DIÁCONO JOSÉ DA CRUZ. É MUITO BOM TÊ-LO AQUI CONOSCO. DANDO-NOS A FORÇA QUE PRECISAMOS PARA EMPURRAR ESTE BARCO CONTRA A FORÇA DAS CORRENTEZAS DO MUNDO ATUAL.
JOSÉ SALVIANO

Postar um comentário