.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

“ELE SERÁ UM SINAL DE CONTRADIÇÃO” Olivia Coutinho FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA!


 Dia 30 de Dezembro de  2018
 Evangelho de Lc 2,22-40

           Dentro do tempo do Natal, a Igreja escolhe um dia para celebrar a festa da Sagrada Família, um modelo para todas as famílias! É uma forma que a igreja encontrou para chamar a nossa atenção, sobre a importância da família, um valor tão desprezado nestes tempos “modernos.”
A Sagrada Família; família de Nazaré é constituída por Jesus, Maria e José! Foi no seio desta família, que o Menino Deus cresceu em tamanho e sabedoria, que Ele viveu como um de nós!
O evangelho que a liturgia de hoje nos convida a refletir, vem nos falar da apresentação de Jesus no templo. Quarenta dias após o seu nascimento, Jesus é levado ao templo pelos os seus pais, a fim de cumprir um ritual judaico, isto é, todo primogênito do sexo masculino, deveria ser consagrado ao Senhor. Maria e José, num gesto de entrega a Deus, apresentam Jesus no templo.
O rito da purificação da mãe e a apresentação do menino Jesus, nos ajuda a entender, que Deus, ao se encarnar, viveu a nossa realidade, se submeteu a lei, foi pobre, marginalizado, injustiçado e provavelmente teve problemas na família como qualquer um de nós. Basta lembrarmos, do início da sua vida pública, quando seus familiares tentaram impedi-lo de cumprir a sua missão, alegando que Ele estava louco. Mc 3,20-21
O texto que nos é apresentado, é rico em detalhes, mostra-nos, que na apresentação do menino Jesus no templo, fica evidenciado a identidade do Salvador e através de um conjunto de elementos proféticos, é revelado o caminho que Ele percorreria o caminho da cruz.
Em si tratando da apresentação do próprio Filho de Deus, este ritual adquire um significado estreitamente ligado ao mistério da encarnação. Foi um rito de grande profundidade, diferente dos outros, em que os pais apresentavam seus filhos a Deus.  No rito de Jesus, é Deus quem apresenta seu Filho aos homens, pela boca do profeta Simeão, juntamente com a profetisa  Ana.
O velho Simeão esperava pela libertação de Israel, ele já havia recebido a de Deus, a promessa de que ele não partiria deste mundo, sem antes ter visto o Messias. Guiado pela a inspiração divina, Ele  vai ao templo e lá encontra com Maria e José que levavam Jesus para cumprir as prescrições legais. Suas palavras proféticas, sobre o futuro do menino, Jesus, constituem o centro do relato. Já prestes do final  de sua existência terrena, Simeão toma o menino em seus braços e o define como: “A salvação que chegou para todos os povos. Salvação, que chegou na fragilidade de um menino.
Os olhos de Simeão, enxergaram  longe, ele viu naquele menino tão frágil, ainda totalmente dependente do humano, a salvação do próprio humano!
Na cena, Maria permaneceu o tempo todo em silencio, certamente,  ela ainda não havia entendido tudo a respeito da trajetória do seu filho, mas  mesmo assim, ela acolhe as profecias de Simeão sobre o seu futuro, aceitando os desígnios de Deus.
Após ter tido a felicidade de ter o Messias em seus braços, Simeão sente que já podia partir deste mundo, afinal, seus olhos já tinham visto o que ele tanto esperava: a “libertação do povo de Israel".
Contemplemos a figura de Simeão, um homem que não olhava para o passado, que via longe, que sonhava grande, mesmo na fragilidade de sua idade avançada.
Simeão e Ana representam o povo fiel, o povo persistente, que não perde a esperança, porque confia nas realizações das promessas de Deus, podemos intitulá-los, como profetas da esperança!
Como o profeta Simeão, sejamos também, perseverantes na fé, confiantes nas promessas de Deus, com Deus, tudo nos será possível.
A família é uma instituição sagrada, é algo sonhado por Deus, que quis vir até a nós, através de uma família.
Que esta instituição sagrada, não termine por falta de amor, pois é na família, que Deus perpetua a sua criação! Não deixemos que esta sementeira de amor, se desfaça por falta do diálogo e do perdão.

FIQUE NA PAZ DE JESUS!  – Olívia Coutinho
Venha fazer parte do meu grupo de reflexão no Facebook:

2 comentários:

Unknown disse...

Oi Olívia parabéns pelas reflexões riquíssimas que muito tem ajudado. Deus continue te dando sabedoria. Não compreendi pq este evangelho. Não seria LCD 2, 41-52

Unknown disse...

Digo: Lc

Postar um comentário