.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Com a mesma medida - Helena Serpa

DIA 30 QUINTA -Mc 4,21-25
Evangelho – Marcos 4, 21-25 – “com a mesma medida”

Neste Evangelho Jesus nos orienta para que as nossas ações se comparem a lâmpadas acesas colocadas em lugar bem alto a fim de iluminar todas as pessoas. Em outras palavras Ele nos incentiva a sermos luzeiros a clarear o caminho de quem estiver necessitando do conhecimento de Deus. Por isso, as nossas ações devem revelar o que cultivamos dentro de nós mesmos (as)! Se cultivarmos em nós bons pensamentos e regarmos os nossos bons sentimentos poderemos também realizar boas obras as quais são como lâmpadas acesas as quais podem ser vistas por todas as pessoas. Do contrário, quando falseamos, e blefamos escondendo as nossas reais intenções nós também somos capazes de praticar ações duvidosas que, mesmo aparentando gestos bondosos, são, no entanto, arapucas que armamos para que outros caiam. Aí, nós revelamos apenas a escuridão que há dentro do nosso coração. Jesus continua nos advertindo em relação às nossas ações e, agora também, quanto aos nossos julgamentos quando diz: “com a mesma medida com que medirdes também vós sereis medidos”. Muitas vezes nós usamos critérios muito exigentes para com o próximo e não nos apercebemos de que com o mesmo rigor nós também seremos julgados (as), e,... por nós mesmos (as)! A medida, então, é a que nós usamos, isto é, a nossa medida. Portanto, que tenhamos o cuidado de purificar os nossos pensamentos e sentimentos a fim de que possamos atuar com sinceridade e com transparência irradiando ao mundo a Luz que vem do Senhor. E que as nossas ações e os nossos julgamentos para com os nossos irmãos (ãs) sejam feitos com uma medida ajustada à nossa própria fraqueza, portanto, cheios de misericórdia e compaixão. – Você é uma pessoa transparente e sincera? – As suas ações acompanham os seus sentimentos e pensamentos ou você consegue camuflá-las? – Você é muito rigoroso (a) com os erros das pessoas? – E com os seus? – Você é uma pessoa que se impacienta por qualquer coisa? – Qual é a sua medida?

Helena Serpa,

Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho 

Outro

Evangelho – Marcos 4, 21-25 – “lâmpadas acesas”

As nossas ações devem ser produtos dos nossos pensamentos e também dos nossos sentimentos. Nesta leitura Jesus nos exorta para que as nossas ações sejam como lâmpadas acesas colocadas em lugar alto a fim de que todas as pessoas que as vejam sejam iluminadas, isto é, tenham conhecimento e possam usufruir. Portanto, as nossas ações devem revelar o que nós cultivamos dentro de nós mesmos (as). Se, cultivamos em nós bons pensamentos e regamos os nossos bons sentimentos nós poderemos também realizar boas obras as quais são como lâmpadas acesas que podem ser vistas por todas as pessoas. Quando nós falseamos, quando nós blefamos e escondemos as nossas reais intenções nós também somos capazes de praticar ações duvidosas que por mais que aparentem bondade, são, no entanto, arapucas que nós armamos para que outros caiam. Aí, nós revelamos apenas a escuridão que há dentro do nosso coração. Jesus continua nos advertindo em relação às nossas ações e, agora também, quanto aos nossos julgamentos quando diz: “com a mesma medida com que medirdes também vós sereis medidos”. Muitas vezes nós usamos critérios muito exigentes para com o nosso próximo e não nos apercebemos de que com o mesmo rigor nós também seremos julgados (as), e … por nós mesmos (as)! A medida, então, é a que nós usamos, isto é, a nossa medida. Existe um ditado popular que expressa muito bem o que o Senhor nos fala: “quem disto usa, disto cuida”. Portanto, que nós tenhamos o cuidado de purificar os nossos pensamentos e sentimentos a fim de que possamos atuar com sinceridade e com transparência irradiando ao mundo a Luz que vem do Senhor. E que as nossas ações e os nossos julgamentos para com os nossos irmãos (ãs) sejam feitos com uma medida ajustada à nossa própria fraqueza, portanto, cheios de misericórdia e compaixão. – Você é uma pessoa transparente e sincera? – As suas ações acompanham os seus sentimentos e pensamentos ou você consegue camuflá-las? – Você é muito rigoroso (a) com os erros das pessoas? – E com os seus? – Você é uma pessoa que se impacienta por qualquer coisa? – Qual é a sua medida?

Helena Colares Serpa


Um comentário:

Sandra Araujo disse...

Sempre oportunas e inteligentes suas reflexões. Aprendo muito com você. Obrigada!
Sandra. Apucarana Pr.

Postar um comentário