.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e ao teu próximo como a ti mesmo - ENVIADO POR VERA LÚCIA

DOMINGO - 26 de Outubro  - Evangelho - Mt 22,34-40


Neste Evangelho, com a resposta acima, Jesus nos diz qual é o maior mandamento de Deus. Não é só mandamento, é vida e felicidade para nós. Fomos criados para isso, e só encontramos paz amando a Deus e ao próximo.
Deus é o nosso criador e é ele que nos mantém com vida, a cada instante. Se ele retirasse sua mão de sobre nós, voltaríamos ao nada, de onde saímos.
A Redenção nos mostra novas dimensões do amor de Deus. Ele sabe relevar as nossas fraquezas, e não deixa de nos amar quando o ofendemos. Ele vai atrás, insiste, sempre respeitando a nossa liberdade.
O nosso pai carnal é uma pálida figura do nosso grande Pai que é Deus.
Deus nos criou para conhecê-lo, amá-lo e servi-lo na terra, e gozar com ele no céu. Feliz de quem entende essa frase do catecismo e a vive. Os egoístas deixam a Igreja Católica e preferem as seitas, porque elas estão na linha do mundo egoísta, que coloca no centro de tudo a própria pessoa e não Deus.
Amar a Deus sobre todas as coisas é colocá-lo acima dos bens, das pessoas e até da nossa vida terrena. É amar a Jesus Cristo, que hoje está presente em seu Corpo Místico, a Igreja una, santa, católica e apostólica.
“O segundo é semelhante a esse: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”. Apesar de o fariseu ter perguntado “qual é o maior mandamento da Lei”, isto é, perguntado sobre um mandamento, Jesus citou dois, porque os dois são intimamente unidos e não se separam. Eles se entrelaçam de tal modo que ninguém consegue praticar um sem praticar o outro. Eles são desdobramentos de uma só realidade, o amor. “Deus é amor: quem permanece no amor, permanece em Deus e Deus permanece nele” (1Jo 4,16). O amor é a maior força que existe no mundo, pois é o próprio Deus.
“Ninguém jamais viu a Deus. Se nos amamos uns aos outros, Deus permanece em nós e seu amor em nós é perfeito” (1Jo 4,12).
“Se alguém disser ‘eu amo a Deus’, mas odeia seu irmão, é um mentiroso, pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê” (1Jo 4,20). A ligação íntima entre o amor a Deus e ao próximo desautoriza certas formas alienantes de “espiritualidade” que muitas vezes não passam de uma busca disfarçada de auto-realização, mas que jamais leva a um compromisso com a transformação do mundo em que vivemos. Não é possível amar a Deus sem amar o próximo.
S. João nos explica o que é amor: "Jesus deu a vida por nós. Portanto, também nós devemos dar a vida pelos irmãos. Se alguém possui riquezas neste mundo e vê o seu irmão passar necessidade, mas diante dele fecha o seu coração, como pode o amor de Deus permanecer nele?” (1Jo 3,16-17).
Quem ama só faz o bem e só deseja o bem. Quem ama lê no coração o que as palavras não conseguem expressar.
O pecado rebaixa, avilta e corrói o amor, desviando-o do seu sentido. Basta ver o sentido dessa palavra na maioria das novelas e filmes.
Todos nós passamos a vida toda correndo atrás do amor; ele é a motivação fundamental de todos os nossos atos. É o amor que traz alegria e o gosto de viver. Para quem ama, não existe monotonia. Pode viver cem anos, que cada dia é novo. Pode ficar cem anos ao lado da mesma pessoa, que não se cansa. Cada dia a vê diferente, como um filme. Isso porque o amor é infinito.
O amor é difusivo; ele não fica só na pessoa que ama, mas passa para os demais, e vai criando uma Comunidade de amor, que chamamos de ágape.
Está portanto diante de nós o desafio de amar sempre, tanto a Deus como ao próximo, e através do amor transformar o mundo.
Na Terra Santa, existem dois mares bem conhecidos. Embora alimentados pelo mesmo Rio Jordão, eles são completamente diferentes um do outro.
O primeiro é o Mar da Galiléia, cuja água é doce e contém muitos peixes. Seu litoral tem muitas cidades e vilas lindas, por causa do verde das lavouras, das árvores e dos jardins, tudo irrigado pelo Mar da Galiléia.
O outro é o Mar Morto, que é célebre pela sua densidade de sais minerais. Ele não tem peixe e nem os vegetais conseguem viver de suas águas. Seus arredores são desertos. Não existe área verde. O Mar Morto apresenta um aspecto desolador.
De onde vem essa diferença, se os dois são alimentados pelo mesmo Rio Jordão? A explicação é simples: O Mar da Galiléia recebe o Rio Jordão pelo Norte, porém não o guarda para si; toda a água bela e fértil que ele recebe, ele a solta pelo Sul. E o Rio Jordão prossegue o seu caminho, irrigando e semeando vida por onde passa. O Mar da Galiléia não vive para si, ele reparte tudo o que recebe.
Já o Mar Morto não; ele recebe o Rio Jordão, mas o retém para si. Ele não possui saída. Enquanto as águas se evaporam, todos os sais minerais se acumulam no enorme recipiente fechado. E a excessiva saturação torna-se veneno, que mata qualquer espécie de vida. É um mar que mata. E mata porque é fechado. O que ele recebe é bom e saudável. É ele que, por ser fechado, transforma em veneno.
Existem também duas classes de pessoas: as abertas e as fechadas, as que amam e as que não amam. Encontramos pessoas que nada guardam para si mesmas. A sua felicidade está em dar, em servir.
Essas pessoas são uma bênção dentro da família, na sua Comunidade e no bairro onde vivem. São pessoas vivificadores, como o Mar da Galiléia. Seu calor humano contagia. Sua disponibilidade irradia confiança, alegria e vida.
Mas infelizmente encontramos pessoas totalmente diferentes. Elas vivem para si mesmas. Vão acumulando para si tudo o que recebem e possuem de bom. Guardam tudo para si.
E esses bens e dons se transformam em veneno. Veneno que até mata!
Essas pessoas misturam três ingredientes nos dons que recebem: ambição, vaidade e dominação. Eles seguem um caminho oposto ao plano de Deus. Por isso são infelizes e fazem os outros sofrerem ao redor delas.
Vamos aprender a lição desses dois mares. Se formos Mar da Galiléia, certamente o Senhor gostará de passear de barco conosco, de anunciar a Boa Nova em nossas praias, de abençoar e de fazer milagres. Mais: ele vai querer morar conosco, como morou na casa de Pedro, em Cafarnaum, ao lado do Mar da Galiléia. E se um dia o nosso Mar estiver agitado, certamente ele vai acalmá-lo.
Maria Santíssima cumpriu com generosidade esses dois mandamentos: o amor a Deus e ao próximo. Mãe do Belo Amor, rogai por nós!
Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e ao teu próximo como a ti mesmo.
 

2 comentários:

Anônimo disse...

Que bela reflexão!!! Com certeza muito irá me ajudar no próximo domingo. Deus te abençoe, fique na paz do senhor Jesus

Anônimo disse...

Nossa que mensagem linda! Que possamos ser luz para o mundo e amar a todos sem distinção. Que Jesus nos abençoe e nos de sabedoria para levar a vossa verdade aos quatro cantos do mundo.

Postar um comentário