.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Jesus nos acolhe no seio da Sua família-Helena Serpa

19/07/2016 - 3ª  feira –XVI semana do tempo comum -  Miquéias 7, 14-15.18-20 – “Ele não guarda rancor para sempre”
O povo de Israel, exilado, passava por provações e era explorado pelos seus algozes. Sem terra para desfrutar e sem campos para cultivar vivia a penúria da desolação e do exílio. Era o mesmo povo que Deus tinha libertado do Egito, no entanto, por ter pecado e desobedecido a Ele fora deportado da terra prometida. Diante deste quadro, o profeta Miquéias intercede favor do povo clamando pela Sua misericórdia, na certeza de que Deus é capaz de apagar a nossa iniquidade e esquecer o nosso pecado. Nestes termos, ele se voltava para o Senhor, dizendo: “E como foi nos dias em que nos fizestes sair do Egito, faze-nos ver novos prodígios! ”  Esta também é a nossa situação no mundo em que vivemos! Há momentos em que nos sentimos exilados, escravizados e cativos das coisas e situações que nos prendem! São elas uma consequência dos nossos próprios erros e das escolhas que fazemos, principalmente, quando trocamos o Criador pelas criaturas. O pecado é quando “erramos o alvo”, que é Deus e nos afastamos Dele colocando outros deuses em Seu lugar. Dessa forma sentimos as consequências e, de repente, a nossa vida que “aparentemente” era muito boa, cheia de prosperidade, sofre uma reviravolta e já não temos mais tudo o que antes dava sentido à nossa existência. Este, portanto, é o momento propício para que, reconhecendo a providência de Deus em tudo o que antes havíamos conquistado, nos voltemos para Ele, na certeza de que Ele não guarda rancor para sempre, pois ama a misericórdia e quer apenas a nossa conversão.  O Senhor não deseja a nossa ruína, mas sabe que nós, como filhos, precisamos ser confrontados por causa das nossas contradições. Por incrível que possa parecer, esses momentos de dureza, de deserto e escuridão são ocasiões favoráveis para que conscientes, mantenhamos a fidelidade à nossa pertença a Deus, e, assim, Ele nos fará ver novos prodígios! – Você já experimentou esses tempos de deserto e de penúria? – O que lhe foi favorável? – Você se sentiu mais fortalecido quando tudo passou? – Na sua vida está tudo bem? – Você tem reconhecido que o Senhor é o Seu provedor? – Você confia na misericórdia do Senhor?

Salmo 84 – “Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade.”
Deus, como um Pai cheio de bondade, tem como único propósito a nossa salvação, por isso, mesmo conscientes de que somos os maiores pecadores podemos como o salmista, suplicar o Seu perdão, dizendo: “Renovai-nos, nosso Deus e salvador, esquecei a vossa mágoa contra nós”! Com certeza, na medida da sinceridade do nosso coração, o Senhor restituirá a nossa vida retirando toda ameaça que pairava sobre nós.

Evangelho – Mateus 12, 46-50 – “Jesus nos acolhe no seio da Sua família

Hoje, mais uma vez, Jesus nos convoca a fazer parte da Sua família quando, apontando para os Seus discípulos nos convida a, fazer também a vontade do Pai que está nos céus, a exemplo de Sua Mãe e de Seus irmãos. Sabemos que a caminhada de Jesus aqui na terra foi um crescente viver segundo a vontade do Seu Pai. Por isso, Ele convocou doze homens, simples, rudes e sem muita instrução para acompanhá-Lo, ensinando a eles tudo o que era da vontade do Pai com o intuito de, depois, faze-los fundamentos da Sua igreja. A vivência com Jesus, os Seus ensinamentos, Seus exemplos, Sua forma de acolher, de perdoar, de admoestar, de orar, de curar e fazer milagres e muitas outras coisas mais, manifesta ao mundo o jeito certo de se viver na terra, como é desejo do Pai que vive no céu.  A vontade do Pai é a chave que abre para nós o caminho da felicidade e a vontade do Pai é “que todos sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade.” (conf. I Timóteo, 2,4). Podemos deduzir, portanto, que a vontade de Deus  é a nossa salvação e a conquista do paraíso, isto é, a vida eterna. Jesus aproveitava todos os momentos para esclarecer as questões primordiais e exercitou com os Seus discípulos a vivência da vontade do Pai. Por isso, apontando para eles, os elevou a dignidade da Sua  Mãe e de Seus irmãos. Ele sabia que no momento certo aqueles homens dariam testemunho ao mundo da Sua salvação, embora  pudessem trai-Lo e negá-Lo. Hoje também, JESUS aponta para nós que refletimos e meditamos com a Sua Palavra e também nos acolhe no seio da Sua família, pois sabe que nós estamos apreendendo o jeito certo de fazer a vontade de Deus e, no momento proprício, nós tambén mostraremos ao mundo que fazemos parte da família do Pai que, está nos céus, mas não desiste de nós que ainda estamos na terra. – Você tem feito a vontade de Deus? – Você sabe perdoar, compreender, acolher? – O que você tem aprendido com Jesus? – Você sabia que a vontade do Pai é que Jesus seja o Senhor da sua vida? 

3 comentários:

Anônimo disse...

MEU SENHOR E MEU DEUS MUITO OBRIGADO POR ESTAR SEMPRE PRONTO A NOS PERDOAR ,SOMOS POVO DIFICIL SOMOS UM POVO SEM JUIZO MAS EU NAO TENHO PALAVRAS PARA AGRADECER TANTO AMOR PARA CONOSCO,EU PENÇO QUE PRECISARIAMOS DE UM CHOQUE PARA ACORDARMOS.

Mariano Silveira disse...

DEUS te ilumine e abençoe.

Anônimo disse...

Eu todos os dias faço a leitura do dia e complemento com os comentários dessa equipe para complementar meus ensinamento e por em prática muito obrigado, que o Senhor Deus continue derramando benção a todos na Paz de Cristo, Jair Ferreira.

Postar um comentário