.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

JESUS É O SENHOR DA VIDA – Maria de Lourdes Cury Macedo


Domingo, 5 de junho de 2016.
Evangelho de São Lucas 7, 11-17.


As páginas do Evangelho são repletas de atos de misericórdia e compaixão de Jesus pelo seu povo.
Ter compaixão é muito mais que ter pena de alguém. Ter pena é enxergar o sofrimento alheio, mas não fazer nada para aliviar o sofrimento do outro. É achar o próximo um “coitadinho”, e ficar nisso somente. O sentimento de compaixão consiste em sentir com o outro a sua dor e fazer o possível para ajudar a pessoa que está sofrendo.
A compaixão é um sentimento nobre e divino, mas são poucos os que a sentem. A compaixão é um sentimento que nos aproxima de Deus, pois somente quem é de Deus sente compaixão. A compaixão é um atributo de Deus e somente quem é plenamente convertido tem verdadeira compaixão, sentindo a dor do outro como se fosse sua e buscando solução para erradicá-la.
Em Jesus podemos ver a verdadeira compaixão e misericórdia. No episódio de hoje, Ele se compadece da viúva da cidade de Naim que perdera seu único filho, ressuscita-o e devolve a ela.
Naim era uma pequena aldeia no caminho que ia para Cafarnaum. A cidade era murada e provavelmente tinha uma porta apenas. Jesus ia chegando à cidade, acompanhado de seus discípulos e de uma multidão alegre, nisso encontrou com outra multidão sofredora, a qual acompanhava o enterro de um jovem, filho único de uma viúva, que chorava a morte de seu filho. Quanta  tristeza para aquela mãe viúva, que perdera seu filho!
Havia um contraste entre as duas multidões, a de Jesus cheia de esperança, buscando a vida, a outra sem esperança, chorando a morte. Jesus se compadece da mãe. O filho que morreu jovem representava para a mãe o amparo, o sustento de vida, o consolo. A multidão que acompanhava o cortejo transmitia compaixão, consolo, mas pouco podia ajudar.
Surge Jesus, a misericórdia e a compaixão em pessoa, que se dirige aos que choram. Ele sente a dor da mãe como se fosse sua e faz por ela o que pode. Jesus chama pelo jovem morto, como se ele estivesse vivo. Seu chamado traz vida, devolve a vida ao morto. O jovem senta-se e começa a falar. Vive. Jesus, recupera a vida do filho da viúva e o entrega a sua mãe.
Nesse encontro fica claro a presença do próprio Deus que se compadece dos sofredores para devolver-lhes a dignidade, a vida plena. Somente Deus tem poder sobre a morte.
Foi o que fez Jesus em sua vida, dando vida para quem precisava ter mais vida, vida plena. É pela compaixão que Jesus deu a vida por nós. Compaixão é sinônimo de amor verdadeiro, gratuito, amor sem medidas, sem limites.
Jesus, o próprio Deus quer nos dar vida, e vida em plenitude para todos nós. Quando estamos longe de Deus, vivendo no pecado estamos mortos para a graça de Deus, quando voltamos, Jesus misericordioso tem compaixão de nós, nos perdoa e assim voltamos para a vida, ressuscitamos para a vida da graça.
Vamos pedir que Jesus hoje nos ressuscite também, nos faça voltar à vida da graça de filhos amados de Deus, deixando o orgulho, o egoísmo, a preguiça, as brigas, discussões, o comodismo, a irresponsabilidade, para caminhar firme na perseverança, na fé, no amor,  na misericórdia, na compaixão como nosso Mestre Jesus nos ensinou.
Nós também podemos fazer como Jesus, ajudar as pessoas que estão mortas para a vida, como a tristeza, a depressão, o desânimo, o abatimento, os vícios, as drogas e ajudá-las a encontrar a Deus, o autor da vida, isto, é obra de misericórdia, é ter compaixão.
Precisamos aprender com Jesus ter um coração semelhante ao dele, um coração bom, amoroso, terno, capaz de amar e de se compadecer das pessoas que sofrem, compreender seus problemas, suas tristezas, angustias, tormentos, aflições para que encontrem um sentido para suas vidas, que encontrem em Deus, no seu sagrado coração um refúgio, um oásis para seu descanso e paz.
Senhor, hoje nós lhe pedimos nos ajude a termos Fé e Confiança no seu poder, porque o Senhor é o autor da vida.
Eu quero Senhor ter os mesmos sentimentos seus, ter compaixão das pessoas com as quais me encontro nos caminhos da vida e sempre demonstrar meu amor com gestos concretos de solidariedade. Eu quero Senhor refletir para os meus irmãos o seu rosto misericordioso e cheio de compaixão.

Abraços em Cristo!

Maria de Lourdes


5 comentários:

José Efigênio Pinto disse...

Caro JOSÉ SALVIANO, NÃO TEMOS QUE DESCULPAR FALHAS NENHUMA, nós temos é agradecer a DEUS, por essa CATEQUESE, que ele os chamastes. admiro muitos o trabalho de vocês. Um grande abraço a todos e, que DEUS os abençoe.

José Efigênio Pinto disse...

Caro JOSÉ SALVIANO, NÃO TEMOS QUE DESCULPAR FALHAS NENHUMA, nós temos é agradecer a DEUS, por essa CATEQUESE, que ele os chamastes. admiro muitos o trabalho de vocês. Um grande abraço a todos e, que DEUS os abençoe.

José Efigênio Pinto disse...

MARIA DE LOURDES; desculpe-me por este comentário ter caído na sua pasta de comentário, eu coloquei um outro na sua pasta. Um grande abraço e DEUS TE ABENÇOE.

José Efigênio Pinto disse...

MARIA DE LOURDES; desculpe-me por este comentário ter caído na sua pasta de comentário, eu coloquei um outro na sua pasta. Um grande abraço e DEUS TE ABENÇOE.

José Efigênio Pinto disse...

MARIA DE LOURDES; desculpe-me por este comentário ter caído na sua pasta de comentário, eu coloquei um outro na sua pasta. Um grande abraço e DEUS TE ABENÇOE.

Postar um comentário