.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

As coisas santas-Helena Serpa

21/06/2016 - 3a. Feira – XII semana do tempo comum -  2 Reis 19,9-11.14-21.31-36 - “o socorro do Senhor é seguro ” 
Durante a nossa caminhada aqui na terra os “reis” também nos ameaçam e querem nos desestimular quando pomos a nossa confiança no Deus Onipotente.  No entanto, saber que Ele escuta as nossas orações, vê as nossas ações, é condição indispensável para que possamos enfrentar os desafios desta vida.  Assim como Ezequias agiu diante da audácia e da prepotência do rei da Assíria quando duvidou da ação de Deus para salvar Jerusalém, nós também poderemos fazer: reconhecendo a nossa incapacidade rogar ao único Deus, criador do céu e da terra que nos livre das mãos do inimigo a fim de que todos os reinos da terra conheçam o Seu poder. E o Senhor responderá a nossa oração com a promessa de proteção para nós e para todos aqueles que Nele confiam.  Deus está muito perto de cada um de nós e sabe de tudo que se passa nos nossos corações, por isso, o socorro Dele é seguro. Não podemos duvidar das suas ações nem da Sua intervenção. Muitas vezes, por causa das ameaças e das chantagens nós temos a tentação de nos entregar e aceitar a derrota nos conformando às situações que não são da vontade de Deus, porque não O buscamos na oração. Na prática, quando nós, em oração, apresentamos ao Senhor os nossos questionamentos e as circunstâncias delicadas as quais enfrentamos, nós conseguimos fazer escolhas mais acertadas, pois temos mais coragem para tomar decisões e os nossos “inimigos” tornam-se fáceis de serem vencidos. Em todas as ocasiões em que apresentarmos ao Senhor os nossos temores, problemas e dificuldades poderemos ter a certeza de que mesmo tendo que enfrentar o inimigo face a face, a vitória será certa, pois o Senhor nos livra do mal. Portanto, não percamos tempo sofrendo em desespero e entregando o “ouro ao bandido”, mas recorramos ao “único Deus de todos os reinos da terra” “aquele que ouve e vê e atende os nossos pedidos”, para que todos conheçam Aquele que verdadeiramente tem poder. – Você costuma desanimar diante das tentações ou pede socorro ao Senhor? -  O que você faz quando as pessoas o (a) desestimulam, e questionam a ação de Deus na sua vida?   – Você confia no Senhor mesmo quando todos à sua volta dizem o contrário?

Salmo 47 – “O Senhor estabelece sua cidade para sempre”

O salmo fala da cidade em que Deus mora! A mansão do grande rei é a nossa alma, cidade forte, bem vigiada. É lá que Deus se revela, pois escuta os nossos pensamentos e conhece os nossos sentimentos. O nosso coração é o monte onde nos colocamos em oração e a Ele prestamos louvor e adoração recordando a Sua bondade para dar testemunho em toda a terra. Na cidade de Deus somos preparados (as) para enfrentar as feras do mundo.

Evangelho – Mateus 7, 6.12-14 – “as coisas santas ”

Damos aos cães as coisas santas e atiramos aos porcos as nossas pérolas quando queremos falar em nome de Deus discutindo e medindo forças com pessoas que não têm nenhum conhecimento da Palavra e nos questionam com o fim de nos influenciar e tentar destruir a nossa fé e a nossa esperança.  As coisas santas são os ensinamentos de Deus com os quais aprendemos, usufruímos, vivenciamos e experimentamos. As nossas pérolas são o resultado do que assimilamos e apreendemos com a vivência das coisas de Deus, que nos levam a dar testemunho de uma verdadeira conversão.  Atiramos as nossas pérolas aos porcos e damos aos cães as coisas santas quando, sem ter convicção daquilo que pregamos, tentamos influenciar na vida das pessoas, mas damos contra testemunho e o nosso comportamento não condiz com a nossa pregação.  As nossas palavras e ações precisam ter coerência com o que aprendemos com Jesus. Quando perdemos tempo banalizando as coisas de Deus, e não estamos firmes nos ensinamentos de Jesus, as nossas pérolas, (ideias, pensamentos, moções apreendidas), podem ser vencidas e nós desmoralizados (as). Neste Evangelho Jesus também nos adverte para que o nosso relacionamento interpessoal seja uma via de mão dupla, portanto o que exigimos dos outros precisamos ser os primeiros a adotar. Se, nos nossos relacionamentos exigirmos que os outros nos façam o que nós mesmos não conseguiremos fazer, estaremos também atirando aos porcos, o que apreendemos e o nosso testemunho não é coerente com os preceitos de Jesus.  Por isso, para preservar os ensinamentos do Evangelho devemos desejar ao outro tudo o que ansiarmos também para nós. Não podemos querer seguir Jesus entrando pela porta larga, pois ela nos leva ao caminho do contra testemunho, da negação aos Seus ensinamentos.  A porta estreita é a porta dos ensinamentos evangélicos, que, embora sejam difíceis de vivenciar, nos dará acesso ao caminho que nos levará à vida eterna. Muitas vezes queremos seguir o caminho mais fácil, que nos custa menos, e caminhamos para a perdição. – O que você tem feito com as pérolas que tem colhido nas coisas santas? – Você tem firmeza e convicção em tudo que você tem aprendido com Jesus?        – Você costuma discutir as coisas de Deus com pessoas alheias ao assunto, querendo convencê-las? - O que você quer para o seu vizinho é o mesmo que você deseja para você e os seus? -  Por qual porta você  tem procurado passar nas encruzilhadas da sua vida: a mais fácil  ou a mais difícil?

Um comentário:

José Maria Nascimento disse...

Obrigado!!!

Postar um comentário