.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Quem olhar para trás...-Helena Serpa

26/06/2016 – XIII DOMINGO do tempo comum – 1ª. Leitura – 1 Reis 19, 16.19-21 – “a veste da missão de profeta”
Nesta leitura aprendemos que o verdadeiro profeta está sempre em sintonia com Deus e compreende claramente o momento de descobrir a quem deve entregar o manto que usa. O manto significa a veste, a unção que o Senhor dá àqueles (as) a quem consagra para revelar ao mundo a Sua mentalidade e modo de pensar, anunciando e denunciado, com o intuito de ensinar a todos nós como podemos possuir a vida nova que nos foi preparada por Deus. Ao mesmo tempo o Senhor toca o coração de quem Ele designou, desde sempre, para receber a veste da missão de profeta que lhe será passada por alguém. Por isso, hoje, podemos acolher esta mensagem com o fim de compreender se estamos atentos (as) aos sinais que Deus nos dá por meio das pessoas ungidas as quais encontramos e admiramos pelos seus dons, perseverança e fidelidade a Deus. Assim como Elias lançou sobre Eliseu o manto que usava, a qualquer momento podemos ser chamados (as) por alguém que é enviado pelo Senhor para nos ungir e colocar sobre nós o manto de profeta da nova vida.  No Batismo todos nós recebemos a unção de profeta, portanto, ao invés de nos admirar e desconfiar do chamado que o Senhor nos faz devemos assumir o nosso ministério de batizados, conscientemente. Eliseu pediu a Elias para despedir-se do pai e da mãe, prometendo voltar e ouviu dele a recomendação: “Vai e volta! Pois o que te fiz eu?”, lembrando a ele que o manto já havia sido posto nos seus ombros. Isto significa dizer que quando o Senhor nos convoca para ostentar no mundo a veste que recebemos no nosso Batismo, tudo o que vivíamos no passado torna-se sem valor. O chamado de Deus é irrevogável e, enquanto não decidirmos concluir aquilo que era da nossa antiga “obrigação” para assumir a nossa missão de batizados, não teremos paz nem felicidade. Deus não desiste de nós, dessa forma, diante do Seu chamado devemos perceber o que ainda precisamos fazer para nos despedir da vida passada, e nos preparar   para acolher a missão de profeta, designado para levar ao mundo a proposta de salvação e de vida nova que o Senhor oferece a todos. – Você já se sente chamado pelo Senhor a assumir o ministério de batizado? – Você já assumiu o manto da nova vida ou ainda continua lavrando a terra sem plantar nada? – O que você está esperando acontecer para resolver ser feliz?

Salmo 15 – Ó Senhor, sois minha herança para sempre”
É o Senhor quem nos ensina como encontrar o caminho para a vida, pois somente Ele pode nos conceder felicidades sem limites e delícia eterna de alegria. Ele é a herança pela qual tanto esperamos e mesmo que aqui na terra nós nos cansemos trabalhando para possuir alguma coisa, sabemos que os bens que recebemos das mãos de Deus são eternos. Dessa forma, bendizemos ao Senhor que não cansa de nos mostrar o caminho da ventura e, dia e noite nos adverte o coração para que não caia na corrupção.
2ª. Leitura – Gálatas 5, 1.13-18 – “há oposição entre a nossa carne e o nosso espírito”
Nesta carta, de uma forma muito clara São Paulo nos mostra o que significa liberdade interior. A maioria das pessoas tem a ideia de que ser livre é poder fazer tudo o que “ der na telha”. No entanto, quando assumimos esta mentalidade, terminamos por nos tornar escravos de nós mesmos e da nossa humanidade decaída. Quando aderimos ao projeto de Salvação de Jesus, nós nos apercebemos de que Ele já desamarrou o laço que nos prendia a satanás e à escravidão do pecado. Verdadeiramente compreendemos que Jesus Cristo nos libertou e que já não somos mais escravos dos desejos da nossa carne, embora continuemos sendo tentados. Sabemos que a liberdade é uma faculdade da nossa alma que nos faz imagem e semelhança de Deus e Jesus revela que a essência de Deus é amar, portanto, o amor é a característica que mais nos faz ser parecidos com Ele. A verdadeira liberdade é aquela que nos faz cumprir o mandamento do Senhor de amar ao próximo como a nós mesmos. Porém, sem liberdade é impossível falar em um verdadeiro amor. A liberdade é o dom de Deus que nos faz sair de nós mesmos (as), dos nossos apegos, dos apetites da nossa carne, dos vícios e da subserviência às nossas ações impuras, para proceder segundo o Espírito. Não podemos mais nos confundir diante dos desafios que a nossa alma enfrenta. Pelo contrário, como diz São Paulo, precisamos ter consciência de que os desejos da nossa carne são adversos às aspirações do nosso espírito, por isso, nem sempre fazemos o que realmente, lá no mais profundo do nosso ser, gostaríamos de fazer. Somos verdadeiramente livres quando saímos do nosso mundinho para conhecer e ajudar o próximo. Precisamos, pois, exercitar o amor, pois o ato de amar nos torna escravos uns dos outros pela caridade e só quando amamos nós nos tornamos  verdadeiramente livres de nós mesmos. – Você é uma pessoa livre de si mesma? – Você é preso a algum vício, costume, coisas de que não consegue vencer? – Você tem exercitado o amor ao próximo? – Como você se sente quando sai de si para ajudar alguém?

Evangelho  Lucas 9, 51-62 – “ quem olhar para trás ...”
O verdadeiro meio para entrar no reino de Deus é viver o amor sem restrições, mesmo os que são adversários, assim como também atender ao chamado para segui-Lo, mesmo que tenhamos de deixar de lado muitas ocupações e de nos desapegar das pessoas a quem amamos e com quem nos preocupamos.  O reino de Deus, portanto, é feito de amor e de justiça, por isso, Jesus repreendeu aos discípulos que pretendiam pedir fogo do céu para destruir os samaritanos, seus inimigos, mostrando que a caridade deve prevalecer em todas as nossas ações. Quando bate a nossa porta e nos chama, Jesus quer ter o primeiro lugar na nossa vida, não importando a nossa situação, pois sabe que somente assim seremos livres para amar e servir.  Ele nos mostra que o Seu seguimento requer de nós o desprendimento a todas as coisas e pessoas que humanamente falando, nos afastam da vivência da vontade de Deus. Portanto, quem desejar seguir a Cristo tem de estar consciente das advertências da Sua Palavra que nos conscientiza de que, para segui-Lo, teremos que abdicar de privilégios, de comodidade e enfrentar as dificuldades próprias da missão. Não é fácil, exige abnegação, renúncia e disponibilidade. Jesus não nos promete uma vida fácil, porém, quem O seguir, estará vivendo desde já o reino do céu e entrará na vida eterna. Todos nós somos livres para segui-Lo ou não, porém precisamos estar muito atentos (as) às nossas justificativas quando nos escusamos do Seu chamado. Diante das nossas desculpas, Jesus poderá nos advertir com palavras duras: ”deixa que os mortos enterrem os seus mortos, mas tu, vai anunciar o reino de Deus.” O Senhor nos chama para anunciar a vida nova para a nossa família  e não que nos acomodemos esperando a hora de “enterrar pai e mãe”. Os mortos, isto é, aqueles que ainda não se sentem chamados, aqueles que ainda não são discípulos, ou então nem entendem nem querem seguir a Jesus, estes sim, podem enterrar os nossos mortos. Despedir-se dos familiares significa também perder tempo, correr riscos de desistir, tirar o foco do que Jesus nos propõe e, assim, deixar a graça de Deus passar. Precisamos nos apossar da graça do momento, não deixando passar a oportunidade para depois. Amanhã, será outro dia e poderá não haver outro chamado. Segue-me, diz o Senhor! Vamos com Ele sem olhar para trás, sem saudades do que passou, sem lamentações nem murmurações. O reino de Deus é presente, agora, nesse momento e felizes seremos todos nós se compreendermos as palavras desse Evangelho. “Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o reino de Deus!” - Você está apto para o reino de Deus? – Quais são as desculpas que você tem dado para não seguir a Jesus? - Você tem consciência de que para seguir Jesus não deve ter vontade própria nem opiniões formadas? – Você prefere seguir a Jesus ou enterrar os “seus mortos”? – Que tal anunciar a eles que o reino de Deus está próximo? Fazendo isso, você estará seguindo a Jesus.


2 comentários:

José Maria Nascimento disse...

Obrigado!!!

Anônimo disse...

SENHOR QUE COLOQUEMOS EM PRATICA TUDO O QUE NOS ENSINASTES,AINDA TEMOS DIFICULDADES PARA ENTENDER,MAIS UM DIA SENHOR TEREMOS QUE TOMAR UMA DECISAO,ABRA OS NOSSOS OLHOS E O NOSSO CORAÇAO AMEM.

Postar um comentário