.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

quinta-feira, 30 de março de 2017

“SENHOR, AQUELE A QUEM AMAIS ESTÁ DOENTE” – Maria de Lourdes Cury Macedo.


Domingo, 2 de abril de 2017.
Evangelho de Jo 11, 1-45.

Esta passagem do Evangelho é uma das mais comoventes, Jesus mostra seu lado humano, sua amizade que o leva ao choro.
Estamos chegando ao fim da nossa caminhada quaresmal em direção a Páscoa, a maior festa do cristianismo, a ressurreição de Jesus. A liturgia desse domingo nos aponta para o Deus da vida, Jesus dá a vida e é a Ressurreição. Deus quer vida para todos, e vida em plenitude. (Jo10,10)
Jesus era amigo de Marta, Maria e Lázaro, era na casa deles em Betânia que muitas vezes Jesus se refugiava para descansar. São João evangelista faz questão de mostrar o lado humano de Jesus: era um homem que tinha amigos. Tinha um grande amor aos três irmãos. Isso quer dizer que esse amor de Jesus é para todos os homens. É um amor, que é a fonte da Vida e da Ressurreição.
 Marta representa a comunidade dos creem em Jesus, que professa sua fé, que vai ao encontro de Jesus consciente de quem ele é. Maria representa a comunidade dos que o segue, mas sem muita convicção. Lázaro representa a comunidade que vive presa a suas amarras, suas sepulturas. E o povo judeu que representa aqueles que seguem sem saber o porquê de estar seguindo.  
  Lázaro adoece e as duas irmãs mandam avisar Jesus da doença  de seu irmão. Elas fazem isso porque são amigas de Jesus. Toda pessoa que ama Jesus não tem receio de lhe pedir algo, pois está assim demonstrando sua fé e confiança na bondade do Mestre. Por isso Marta e Maria, por amar muito a Jesus, lhe mandaram dizer: “Senhor, aquele que amais está enfermo”. Essas palavras são um ardente pedido, cheio de confiança, para que Jesus venha trazer o restabelecimento a Lázaro.
Quando Jesus recebeu a notícia da doença de Lázaro, Jesus disse: “Esta enfermidade não é de morte, mas para a glória de Deus, a fim de que o Filho de Deus seja glorificado por ela”. Jesus amava seu amigo, mas esperou ainda dois dias para ir visitá-lo. Isso porque a obra de Jesus tem “sua hora”. Tudo deve ser feito para a glória do Pai, conforme seu plano.
No tempo de Jesus os judeus tinham uma crença de que a alma do falecido permanecia durante três dias nas proximidades do cadáver. E só tinham certeza da morte após o quarto dia.
Quando Marta soube que Jesus tinha vindo, foi ao seu encontro e disse a ele: “Senhor, se tivesse estado aqui, meu irmão não teria morrido”! Ela não estava decepcionada com Jesus, nem com rancor, mas suas palavras revelam sua confiança ilimitada na pessoa de Jesus.
Qual será o sentido do diálogo de Marta com Jesus? (v. 22-27) Marta a princípio, não pensa na possibilidade de uma ressurreição, a não ser a do último dia. Esse diálogo entre eles leva Marta a um ato de fé mais perfeito. Jesus explica: “Eu sou a ressurreição e a vida”. Esta expressão “Eu Sou” é o nome de Deus, mostra a divindade de Jesus, porque Cristo é a Ressurreição e a fonte de Vida, quem está com ele está vivo. Apesar de Marta não entender bem o significado das palavras de Jesus, ela faz uma profissão de fé solene: “Sim, Senhor, eu creio que tu és o Messias, o Filho de Deus vivo, aquele que deve vir a este mundo”. (v.27)
Antes de fazer o seu último e grande milagre, o da ressurreição de Lázaro, diante da multidão dos judeus que o cercava, Jesus dirige ao Pai uma oração de agradecimento e não de pedido. (V. 41-42) Agradecimento porque naquela hora Jesus estava sendo glorificado. Depois da oração, Jesus chama Lázaro para fora do túmulo. Jesus realiza aí a promessa da Ressurreição. Ele prometeu a Ressurreição e agora dá um exemplo. Lázaro saiu amarrado com as mortalhas, o que significa que ele ainda necessitava ser libertado das amarras da morte e não estava livre da morte biológica, isto significa que um dia ele voltaria  ao túmulo, um dia iria morrer para ressuscitar nos fins dos tempos para nunca mais morrer. Ao contrário, Jesus quando ressuscitou, deixou os sinais de morte, o lençol e o sudário no túmulo, nunca mais morreria, ele venceu a morte para sempre.
Com a realização desse milagre muitos creram nele, outros se dirigiram às autoridades religiosas fariseus e sacerdotes, a fim de saber deles o que pensavam sobre o milagre que Cristo tinha realizado.
A narrativa da ressurreição de Lázaro é para nós mais um “sinal”, mais um milagre que Jesus fez para despertar nossa fé. Se acreditamos em Cristo, podemos confiar que ele nos libertará do sono do pecado e nos dará novamente a sua vida, a vida da graça, a verdadeira vida. Nossa vida, nossa salvação e ressurreição não é realidade longínqua, mas uma realidade presente hoje. Se não creio, estou morto. Se minha fé for viva, estou unido a Cristo que é a fonte da Vida.
Aprendemos nessa passagem do evangelho uma grande lição, a lição do amor. A lição daquele que recebeu o seguinte recado: “Senhor, aquele a quem amais está doente”. Aprendamos a amar a todos e por todos seremos amados.
A exemplo de Marta, professemos nossa fé em Cristo Jesus, sigamos com ele até o fim, onde vislumbraremos a Páscoa, a ressurreição.
Que a liturgia desse domingo que promove a vida nos ensine e nos ajude a promover a vida de todos os irmãos que vivem no sofrimento, na miséria, na dor. Que possamos ajudar os Lázaros de hoje a sair de seus túmulos, removendo os obstáculos, as amarras que os impedem de buscar a vida plena, a caminhar com Jesus. E que cada um de nós pense, quais são nossos túmulos, nossas amarras que nos atrapalharam de sermos libertos para servirmos a Deus e ao próximo com santidade.

Abraços em Cristo!
Maria de Lourdes








2 comentários:

José Efigênio Pinto disse...

Maria de Lourdes; Que Deus continue te iluminando. Tenha um bom fim de semana.

Ude Macedo disse...

JOSÉ, OBRIGADA PELA SUA GENTILEZA! TENHA UM BOM FIM DE SEMANA COM AS BENÇÃOS DE DEUS.

MARIA DE LOURDES

Postar um comentário